Quatro dicas para usar a nota do Enem no Prouni

Especialista orienta como criar uma boa estratégia para se candidatar ao Prouni.

Pedro Amancio, analista de Ensino Superior do Quero Bolsa - Foto: Assessoria de Imprensa

Começa hoje (11), e vai até 14 de junho, o período de inscrição para o Programa Universidade Para Todos (Prouni), que oferece bolsas de estudo integral e parcial de 50% em faculdades privadas. Para se inscrever, o candidato deve ter participado da edição 2018 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e obtido, no mínimo, média aritmética de 450 pontos.

Também é necessário ter renda familiar por pessoa equivalente a 1,5 salário mínimo para disputar uma bolsa integral ou até 3 salários mínimos para bolsa parcial. Outro pré-requisito é ter feito o ensino médio completo em escola pública ou em particular com bolsa integral. Pessoas com deficiência e professores da rede pública também podem participar.

Assim como no Sisu, é necessário conhecer as notas de corte dos cursos com vagas pelo Prouni e fazer um planejamento detalhado para ampliar as chances de ingresso. Para ajudar o candidato a escolher tanto o curso quanto a faculdade, o Quero Bolsa, principal plataforma de inclusão de alunos no ensino superior com bolsa de estudos, desenvolveu o Simulador de Nota de Corte do Prouni.

Nele, estão reunidos todos os dados que o candidato precisa para avaliar as notas de corte nas instituições, incluindo o comportamento delas nos últimos processos seletivos, as notas de corte média e mínima no estado de interesse, assim como a menor nota de corte para o curso pretendido em todo o Brasil. O site também exibe a relação de universidades que oferecem o curso pretendido com a nota de corte em cada campus e turno.

O analista de Ensino Superior do Quero Bolsa, Pedro Amancio, orienta como criar uma boa estratégia para se candidatar ao Prouni:

Antes da inscrição, o estudante deve elaborar uma lista de faculdades onde é viável para ele estudar. Para isso, pode utilizar a ferramenta www.querobolsa.com.br/prouni/notas-de-corte para pesquisar.

  1. Selecionar as instituições de ensino levando em consideração tanto a nota de corte quanto a distância e o custo de vida para estudar nelas. É importante lembrar que, diferentemente das instituições de ensino públicas, as privadas não costumam oferecer auxílio moradia e alimentação, por isso é importante levar esses fatores em conta.
  2. Fazer uma lista com opções de cursos de interesse em cada uma das instituições selecionadas. Ordenar a lista pela combinação faculdade/curso com maior chance aprovação.
  3. No período de inscrições, de 11 a 14 de junho, o candidato deve preencher o campo primeira opção com a combinação faculdade/curso com maior chance de aprovação. A segunda melhor chance de aprovação deve ficar no campo segunda opção.
  4. Acompanhar diariamente a variação da classificação no site do Prouni e alterar as opções selecionadas para se manter sempre entre os primeiros classificados.  

Outra ferramenta de busca por bolsas de estudo na rede privada - uma alternativa a quem não conseguir ingressar no ensino superior via Sisu e Prouni -  é o site www.querobolsa.com. São quase 2 milhões de bolsas para o 2º semestre de 2019 em mais de 1.300 universidades no País, sem restrição de renda, nem análise de perfil socioeconômico.

Quantidade bem superior às 169 mil bolsas oferecidas pelo Prouni. As bolsas de estudo de até 75% oferecidas pela plataforma Quero Bolsa são sempre opções melhores do que financiar a faculdade por meio do Fies ou outras formas de financiamento, pois o aluno tem desconto na mensalidade e não acumula dívida para pagar depois de formado.