Visitas em presídios de Mato Grosso do Sul ficam proibidas até o dia 31

Medida de prevenção contra o novo coronavírus foi adotada desde março e teve nova prorrogação.

Fachada do Presídio Jair Ferreira de Carvalho, a Máxima, localizado no Complexo Penitenciário do Jardim Noroeste - Foto: Campo Grande News

A suspensão de visitas em todas as unidades penais de Mato Grosso do Sul foi prorrogada até o dia 31 de julho. A medida de prevenção contra a pandemia do novo coronavírus foi adotada desde março, quando a covid-19 chegou ao Estado. Nos últimos meses, a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) fez sucessivas prorrogações do prazo.

A nova prorrogação segue orientação conjunta do Depen (Departamento Penitenciário Nacional) e Consej (Conselho Nacional dos Secretários de Estado da Justiça, da Cidadania, Direitos Humanos e Administração Penitenciária).  Os presos são mais vulneráveis devido à superlotação e a impossibilidade de distanciamento social.

Somente o Complexo Penitenciário de Campo Grande, localizado no Jardim Noroeste e que reúne quatro presídios, recebia mais de 1,7 mil visitantes por final de semana.

A Agepen informa que, em contrapartida, adotou as visitas virtuais, por meio de videochamadas.

Também continuam suspensos os eventos sociais, palestras, projetos, atividades escolares, assistência religiosa e ações das instituições cadastradas, assim como os setores de trabalho das unidades. As escoltas continuam sendo realizadas apenas em casos emergenciais de saúde ou com audiência marcada.

De acordo com a Agepen, foram tomadas medidas de prevenção como triagem preliminar na chegada de novos custodiados, isolamento do preso em caso de suspeita de covid-19, higienização de produtos, limpeza das celas e fornecimento de máscaras para policiais penais e custodiados.

Contaminação – Na semana passada, testagem em massa confirmou 21 casos positivos do novo coronavírus no Estabelecimento Penal Feminino de Rio Brilhante, a 163 km de Campo Grande. Foram  os primeiros diagnósticos positivos de infecção por coronavírus entre a população carcerária de Mato Grosso do Sul. - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS