Municípios | - SIDROLÂNDIA - MS
03 de Abril de 2013 - 08:45

Depois de oito anos, Incra anuncia mais um assentamento em Sidrolândia, o 24°


Flavio Paes/Região News

Depois de oito anos, Incra anuncia mais um assentamento em Sidrolândia, o 24° - Marcos Tomé/Região News

Sidrolândia terá seu 24° assentamento da reforma agrária. Será na Fazenda Nazaeth, uma propriedade de 2.500 hectares que fica na divisa com Nova Alvorada do Sul, numa região próxima do Assentamento Jibóia. Serão beneficiadas 117 famílias que há mais de cinco anos esperam acampadas pela desapropriação da propriedade a  muito tempo abandonada pelo proprietário que retirou o gado do pasto, nem iniciou nova lavoura. A previsão é que ainda vai demorar oito meses para que as famílias possam entrar dentro da área. Este é o tempo necessário para a demarcação dos lotes e das áreas de preservação permanente. 

O último assentamento criado na cidade, foi o Eldorado, em 2005, com 2 mil famílias, que até hoje dificuldades de infraestrutura, muitos ainda não tiveram acesso ao Pronaf, moram em moradias precárias. A cidade tem 5 mil famílias assentadas. 

 Outra propriedade próxima a Fazenda Nazareth teve estar liberada ainda este mês para os acampados. O Incra já foi autorizado a iniciar o processo de vistoria em outras três propriedades que devem abrigar mil famílias acampadas na cidade: as fazendas Luana, Aracoara e Brejão. Em Sidrolândia há 3 mil famílias cadastras na espera de lotes da reforma agrária.

Segundo o superintendente do Incra, Celso Cestari, para evitar que na Fazenda Nazareth as famílias enfrentem os mesmos problemas das assentadas do Eldorado, elas só vão entrar na propriedade para tomar posse dos lotes, com a garantia dos créditos iniciais que são o Apoio Inicial, de R$ 3,2 mil, o Fomento, de mais R$ 3,2 mil, e o crédito Habitação, que agora vai para a Caixa Econômica Federal, através do Programa Minha Casa Vida modalidade Rural.

A reforma agrária no Mato Grosso do Sul ficou parada por três anos por conta da Operação Tellus, promovida pela Justiça Federal e pelo Ministério Público Federal, e que condicionou a continuidade do programa à realização de vistoria nos lotes dos assentamentos da região sul do Estado e a retomada das parcelas ocupadas irregularmente. Conforme Celso Cestari também contou que cinco novas áreas estão com seus processos de desapropriação adiantados, podendo ser concluídos até o final do ano.