O presidente da Câmara Municipal, Mario Cesar (PMDB) está preocupado com a proximidade do prazo para despejo dos vereadores e a ausência de solução por parte do Executivo. Segundo Procuradoria Jurídica da Câmara, os legisladores serão despejados no dia 24 de abril deste ano. O peemedebista não descarta ato de “vingança” do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), mas alerta que a omissão do progressista em relação ao problema pode acarretar grave crime político-administrativo, fato que pode levá-lo a perda de mandato.

“Se a ideia é penalizar os vereadores, vai acabar penalizando Campo Grande porque o trabalho da Câmara não vai parar. Acho que se houver o despejo, vai ter muito problema do ponto de vista político-administrativo. Não será uma questão de briga com os vereadores e sim incorrer em crime político-administrativo, isso é muito sério”, avaliou.

Diante das três opções ilustradas na última terça-feira (18) pelo líder do prefeito no Legislativo, vereador Marcos Alex (PT), sendo o Hotel Campo Grande, o espaço da Polícia do Exército ou o Centro Cultural Belas Artes, o que mais preocupa Mario é o tempo hábil para colocar os planos em prática uma vez que faltam apenas 64 dias para o fim do prazo estipulado pela Justiça.