Imoveis a Venda | Classificados | Super Galeria | Videos

REDAÇÃO (67)3272-6466

Noticia de: 15 de Março de 2017 - 15:00

Lewandowski autoriza inquérito para investigar Padilha por crime ambiental

Investigação não tem relação com a Operação Lava Jato. Chefe da Casa Civil é suspeito de 'destruir e danificar' área de preservação permanente no RS; G1 procurou Padilha e aguardava resposta.






 

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, em imagem de arquivo -
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil


 
 

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou nesta quarta-feira (15) a abertura de inquérito para investigar o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, por suposto crime ambiental na drenagem de uma região de mangue no litoral norte do Rio Grande do Sul. A investigação não tem relação com a Operação Lava Jato.

Um dos ministros mais próximos do presidente Michel Temer, Padilha é suspeito de ter destruído uma área de preservação permanente para a construção de um parque eólico financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES). A pena prevista para o crime é de um a três anos de prisão mais o pagamento de multa.

O G1 procurou a assessoria do ministro e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem.

Lewandowski atendeu a pedido feito no fim de fevereiro pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para investigar Padilha pelo suposto crime ambiental.

Com o aval do ministro do STF, o ministro da Casa Civil passa a ser formalmente investigado pelo Ministério Público. Esse é o primeiro inquérito aberto no Supremo para investigar Padilha.

"Com efeito, à primeira vista, os fatos descritos pelo procurador-geral da República em sua manifestação configuram, em tese, ilícito penal, devendo-se salientar que os autos possuem elementos probatórios aptos a embasar o início das investigações", escreveu Lewandowski no despacho.

"Da mesma maneira, as diligências requeridas mostram-se necessárias para melhor elucidar as condutas descritas na representação, motivo pelo qual devem ser imediatamente deferidas para a formação da opinio delicti do órgão acusatório", complementou o relator.

O caso chegou ao Supremo em agosto do ano passado, enviado pela 7ª Vara Federal de Porto Alegre em razão do foro privilegiado de Padilha.

Agora, será iniciada a fase de coleta de provas e de depoimentos. Na sequência, o procurador-geral da República terá de decidir se denuncia Padilha ou se pede o arquivamento do caso. Não há prazo para Janot se manifestar sobre o caso.

Entre as provas a serem coletadas, o procurador pediu informações à Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler e que a PF realize diligências no local para eventualmente confirmar a destruição da vegetação típica.

Rodrigo Janot também pediu autorização para depoimento de um dos administradores da empresa Girassol Reflorestamento, que pertenceria a Padilha.

Entenda o caso

O nome de Eliseu Padilha surgiu quando a Polícia Federal do Rio Grande do Sul investigava a construção de um canal de drenagem no Balneário Dunas Altas, na cidade gaúcha de Palmares do Sul, em uma área de preservação permanente.

A empresa responsável pela obra era a Girassol Reflorestamento e, segundo a apuração, o ministro da Casa Civil está entre os sócios.

Conforme a apuração, nas proximidades da construção irregular havia uma placa com os dizeres "Fazenda Giriva”, que é de propriedade de Padilha".

Segundo dados do Auto de Constatação Ambiental anexado ao processo, o terreno que teria sido danificado tem 664,42 hectares de território total. Nesta área, foi construído, em 2013, um fosso de aproximadamente 2,1 metros de comprimento por 5 metros de largura, de forma a totalizar 10,5 mil m² de destruição da vegetação.

Odebrecht

Amigo pessoal de Temer há décadas, Eliseu Padilha foi citado em delações premiadas de executivos e ex-dirigentes da Odebrecht como beneficiário de caixa 2 que teria sido repassado pela construtora para campanhas eleitorais do PMDB.

A TV Globo confirmou com várias fontes que Padilha é um dos políticos alvo de pedido de inquérito da PGR. Nesta quarta (14), Janot enviou à Suprema Corte 83 pedidos para investigar autoridades com foro privilegiado que foram mencionadas pelos dirigentes e ex-dirigentes da Odebrecht.

Além de Padilha, o chefe do Ministério Público também pediu autorização para investigar, pelo menos, cinco ministros, seis senadores, um deputado e ex-integrantes dos governos Lula e Dilma, inclusive os dois ex-presidentes.

Caberá ao relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, decidir se autoriza ou não a abertura dos inquéritos para apurar os políticos.









G1


Reportar Erros



 


 
.
POLITICA

Com ida de Marun para Ministério, Fábio Trad vai assumir vaga na Câmara Federal
SUPREMO

Senado fará esforço concentrado para votar propostas às vésperas do recesso
POLITICA

Câmara deve retomar nesta semana discussão da reforma da Previdência
SUPREMO

Supremo reserva julgamentos polêmicos para semana pré-recesso
 
 
  • Notícias
  • + Lidas

1

Calor predomina e meteorologistas alertam para baixa umidade do ar

Leia mais








© Regiao News - Todos os Direitos Reservados.
contato@regiaonews.com.br
+ 55 67 3272 6466
Desenvolvido por:
MD-WEBMARKETING