Imoveis a Venda | Classificados | Super Galeria | Videos

REDAÇÃO (67)3272-6466

Noticia de: 20 de Março de 2017 - 09:37

Papa Francisco pede perdão a Deus por falhas da igreja durante genocídio em Ruanda

Massacre deixou mais de 800 mil mortos em 1994. Declaração foi dada durante encontro com o presidente do país africano nesta segunda.






 

Papa Francisco cumprimenta presidente de Ruanda, Paul Kagame, durante audiência privada no Vaticano, nesta segunda-feira (20) -
Foto: Tony Gentile/ AP


 
 

O Papa Francisco pede perdão a Deus por “pecados e falhas “ da igreja católica cometidos durante genocídio em Ruanda, que deixou mais de 800 mil mortos em 1994. A declaração foi dada durante encontro com o presidente do país africano, Paul Kagame, no Vaticano, nesta segunda-feira (20).

"Imploro o perdão a Deus pelos pecados e faltas da Igreja e de seus membros, entre eles padres, religiosos e religiosas, que cederam ao ódio e à violência, traíram sua missão evangélica", afirmou o pontífice, segundo a France Presse.

"Manifesto a profunda dor, da Santa Sé e de toda a Igreja, pelo genocídio contra os tutsis e expresso solidariedade às vítimas e a todos que padeceram por esses trágicos eventos", afirmou o chefe da Igreja, segundo a nota divulgada pelo Vaticano, segundo a France Presse.

O pontífice, que se reuniu por 20 minutos a portas fechadas com o presidente Ruanda, havia oferecido em 2014 o apoio da Igreja católica para a reconciliação em Ruanda por ocasião dos 20 anos de genocídio.

Francisco também recordou o gesto de João Paulo II durante o Jubileu de 2000, quando, pela primeira vez, pediu perdão pelos horrores cometidos pelos membros da Igreja.

Cerca da metade dos ruandeses são atualmente católicos, a outra metade recorreu às igrejas pentecostais depois do genocídio.

Massacre

O genocídio, termo adotado após muito debate nos comitês da ONU, foi um dos episódios mais sangrentos da segunda metade do século XX, e afetou quase um terço da população do pequeno país do centro da África.

A matança de tutsis, etnia minoritária de Ruanda, começou a ser organizada poucos anos antes pelo governo de maioria hutu. O estopim foi a morte do presidente Juvenal Habyarimana, que teve seu avião alvejado, num crime que não foi esclarecido. Sem o presidente, os radicais do governo se apropriaram da administração e eliminaram opositores. A extinção tutsi virou política de Estado, campanha promovida com incentivos e ameaças e enfatizada em discursos na rádio e na TV.

A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que mais de 800 mil pessoas morreram no massacre.









G1


Reportar Erros



 


 
.
MUNDO

Bombardeios anti-EI matam mais de cem familiares de extremistas
MUNDO

Estado Islâmico reivindica ataque contra cristãos no Egito
MUNDO

Equador pede na OEA que Brasil explique atual crise política
Líbia

Combates na capital líbia deixam ao menos 28 mortos
 
 
  • Notícias
  • + Lidas







© Regiao News - Todos os Direitos Reservados.
contato@regiaonews.com.br
+ 55 67 3272 6466
Desenvolvido por:
MD-WEBMARKETING