Imoveis a Venda | Classificados | Super Galeria | Videos

REDAÇÃO (67)3272-6466

Noticia de: 20 de Abril de 2017 - 16:47

Temer admite que economia com reforma da Previdência pode ser menor que R$ 600 bilhões

Estimativa inicial do governo era de economia de R$ 800 bilhões em 10 anos; texto foi alterado pelo relator do projeto na Câmara e reduziu ganhos fiscais.






 


Foto: Divulgação


 
 

O presidente Michel Temer admitiu que a economia com a reforma da Previdência pode ficar abaixo de R$ 600 bilhões depois das mudanças feitas no projeto original do governo, que estimava inicialmente economizar R$ 800 bilhões em 10 anos com a reforma previdenciária.

"Se não for R$ 600 bilhões, e eu não vou fixar números, pode ser R$ 580 bilhões. Enfim, há uma grande redução do déficit. A redução inaugural seria de cerca de R$ 800 bilhões. Com os ajustamentos caiu a R$ 600, R$ 580 bilhões, mas sempre uma redução substanciosa, o que significa uma reforma útil da Previdência Social", disse Temer a repórteres ao final de eventos para comemoração pelo dia do diplomata no Palácio do Itamaraty.

O projeto de reforma da Previdência enviado pelo governo ao Congresso previa uma economia de R$ 800 bilhões em 10 anos. Depois das mudanças preparadas pelo relator, Arthur de Oliveira Maia (PPS-BA), com aval do Planalto, a equipe econômica falava em R$ 630 bilhões.

No entanto, depois disso Oliveira Maia fez mais alterações, algumas -como a redução da idade mínima da mulher trabalhadora rural e do tempo de contribuição dos trabalhadores rurais- sem negociar com o governo.

Temer afirmou que os "ajustamentos" e "readequações" são necessários para aprovar a reforma na Câmara e no Senado, e que sempre se soube que o projeto do governo teria que ser negociado com os parlamentares.

Desde o início da preparação do projeto, no entanto, o governo defendia que seria preciso fazer a reforma "necessária" e não a "possível", uma maneira de dizer que o governo não pretendia fazer alterações significativas no texto.

"Mas a pergunta é: vale a pena reduzir o déficit ou não fazer nada?", disse Temer.

O presidente defendeu que a situação agora está "ajustada", mas não quis arriscar um placar para a votação no plenário da Câmara.

O presidente também negou que haja um atraso no cronograma. Na quarta-feira, o governo cedeu à pressão da oposição e concordou em adiar a votação na comissão especial da Câmara para o início de maio, depois de ter colocado como objetivo começar a apreciação já na semana que vem.

"Não, não atrasou nada. E, olhe, se atrasar e for para benefício da reforma, não há razão para invocar atraso. O que há é razão para dizer 'que bom, houve atraso de uma semana para melhorar a proposta, para fazer algo compatível com que o Congresso deseje e a sociedade brasileira quer'", afirmou.









G1


Reportar Erros



 


 
.
SIDROLÂNDIA - MS

Lions repassa R$ 37 mil para hospital que vai comprar lençóis e rouparia para ...
LEILÕES

PRF leiloa 431 veículos que foram apreendidos ou abandonados em rodovias federais
EMPREGO E RENDA

País abre 35 mil vagas em agosto, e emprego cresce pelo quinto mês seguido
BRASIL

Sindicato das indústrias da construção de Corumbá e Ladário elegem nova diretoria
 
 
  • Notícias
  • + Lidas







© Regiao News - Todos os Direitos Reservados.
contato@regiaonews.com.br
+ 55 67 3272 6466
Desenvolvido por:
MD-WEBMARKETING