Imoveis a Venda | Classificados | Super Galeria | Videos

REDAÇÃO (67)3272-6466

Noticia de: 09 de Outubro de 2017 - 08:31

Após seis reduções seguidas, estimativa para inflação tem ligeira alta

A estimativa para 2017 segue abaixo do piso da meta de 3%. A meta tem como centro 4,5% e limite superior, 6%.






 

A estimativa para 2017 segue abaixo o piso da meta de 3% -
Foto: Divulgação


 
 

Depois de seis reduções seguidas, o mercado financeiro ajustou a projeção para inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 2,95% para 2,98%, este ano. A estimativa é do boletim Focus, uma publicação divulgada toda segunda-feira no site do Banco Central (BC), com projeções para os principais indicadores econômicos.

Para 2018, a estimativa para o IPCA passou de 4,06% para 4,02%. Essa foi a sexta redução consecutiva. A estimativa para 2017 segue abaixo do piso da meta de 3%. A meta tem como centro 4,5% e limite superior, 6%.

Na última sexta-feira (6), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA fechou o mês de setembro com variação de 0,16%, abaixo dos 0,19% de agosto. Nos primeiros nove meses do ano, o índice acumula variação de 1,78%, bem abaixo dos 5,51% registrados em igual período de 2016. Esta é a menor taxa acumulada setembro desde 1998, quando se registrou 1,42%. Em 12 meses o índice em 2,54%.

Para alcançar a meta, o BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 8,25% ao ano.

Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação. Já quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

A expectativa do mercado financeiro para a Selic permanece em 7% ao ano, tanto para o final de 2017 quanto para o fim de 2018.

A projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, permanece em 0,70%, este ano. Para 2018, a estimativa de expansão passou de 2,38% para 2,43%.









Agência Brasil


Reportar Erros



 


 
.
BRASIL

Setor de serviços cai 1% em agosto, diz IBGE
ECONOMIA

Inadimplência no cartão cresce mesmo após nova regra do rotativo
EXPORTACÃO

Exportações têm crescimento de 15,1% em setembro, anuncia a FGV
ECONOMIA

Preço da gasolina cai após 8 altas seguidas
 
 
  • Notícias
  • + Lidas

1

Edno diz que Incra usa escritório bancado pela Prefeitura para regularizar assentamentos de outras cidades

Leia mais


2

Diretório do PSB recomenda à bancada a destituição de Tereza Cristina da liderança do partido

Leia mais


3

Professor fica gravemente ferido em acidente com dois carros na BR-163

Leia mais


4

Caixa e BB antecipam em dois dias pagamento do PIS/Pasep a correntistas

Leia mais


5

Enquanto tomava banho, homem invade residência e tenta estuprar moradora

Leia mais








© Regiao News - Todos os Direitos Reservados.
contato@regiaonews.com.br
+ 55 67 3272 6466
Desenvolvido por:
MD-WEBMARKETING