Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 28 de Setembro de 2020

Coronavírus

Em 6ª no ranking de maior população, Sidrolândia mantém controle e ocupa a 24ª posição em casos da Covid-19

Com 57.665 habitantes, Sidrolândia ocupa a 24ª posição no ranking do coronavírus, conforme o boletim divulgado.

Marcos Tomé/Região News

22 de Maio de 2020 - 08:47

Em 6ª no ranking de maior população, Sidrolândia mantém controle e ocupa a 24ª posição em casos da Covid-19

Até aqui, os números da Secretaria Estadual de Saúde, tem sido um alento as vítimas e motivo de otimismo entre os moradores em se tratando da pandemia da Covid-19 para uma cidade do interior de Mato Grosso do Sul, que é a 6ª mais populosa do Estado; concentra o maior número de assentamentos do país, tem 5 aldeias e registrou até agora, apenas 4 casos da doença, todos “importados”.

Com 57.665 habitantes, Sidrolândia ocupa a 24ª posição no ranking do coronavírus, conforme o boletim divulgado nesta quinta-feira (21). Distante 57 km de Campo Grande (Capital), que lidera o ranking de infectados com 222 casos confirmados, o município apertou o cerco no combate a pandemia, já que é corredor para Guia Lopes da Laguna, cidade com 10.366 habitantes e que ocupa a 2ª posição no ranking com 119 casos confirmados.

O prefeito de Sidrolândia, Marcelo Ascoli (PSD), que é médico pediatra, foi um dos primeiros a tomar medidas mais regidas de isolamento social no Estado; impôs lookdown (confinamento), na primeira semana após a confirmação do primeiro caso da doença, em 19 de março, da enfermeira Tatiane Nantes, que contraiu o vírus durante viagem de férias a Europa.

Em 24 de março, o município entrou em regime de quarentena onde boa parte do comércio e das atividades de serviço, como escritório de advocacia, contabilidade, imobiliárias, hotéis, entre outros, foram proibidos de funcionar. Só atividades consideradas essenciais como supermercados, farmácias, postos de combustíveis, permaneceram abertos sob fiscalização e exigência do uso de máscaras de proteção, álcool em gel e medidas de biossegurança.

As medidas, consideradas exageradas por setores políticos e até de parte do seguimento empresarial, a julgar pelos dados divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde, tem surtido efeitos positivos até aqui. Todos os casos registrados são de pessoas que contraíram o vírus fora da cidade, é o caso, por exemplo, do casal que viajou para Belém do Pará no final do mês de abril.

O rapaz, saiu de licença não remunerada da empresa onde trabalha em Sidrolândia, a JBS/Seara, no dia 23 de abril, para visitar o pai (com câncer em estado terminal) na cidade de Belém (Capital). Retornou ao trabalho numa segunda-feira, dia 4 de maio, mas foi impedido de entrar no setor de produção onde trabalha, porque não passou no teste de aferição da temperatura corporal. Ele e a esposa testaram positivo para Covid-19.

O 4º caso, foi confirmado no dia 10 de maio (domingo) pela Secretaria Municipal de Saúde. Um caminheiro contraiu o vírus durante viagem de trabalho a Belém do Pará, mesmo destino onde o casal havia sido infectado. Todos os casos foram monitorados pela equipe técnica da Saúde para evitar o contágio comunitário da doença.

“Não é uma tarefa fácil conter o novo Coronavírus porque seu contágio é muito rápido. Temos intensificado o trabalho com as equipes na identificação precoce dos casos suspeitos para evitar a transmissão comunitária do vírus”, revelou a reportagem o RN o secretário de Saúde, Nélio Paim.

O secretário de Governo, Clayton Ortega, por meio da Saúde, Educação e Vigilância Sanitária, colocou nas ruas uma equipe de apoio com 40 voluntários lotados na Secretaria de Educação, para atuar junto ao Setor de Fiscalização no combate ao Coronavírus. A equipe ajuda na orientação, conscientização e cobra eficiência na aplicabilidade das medidas adotadas por meio de decreto como, por exemplo, o uso obrigatório de máscaras e álcool em gel nos estabelecimentos comerciais.

“A luta é de todos. Assim como os cuidados que o cidadão tem que ter com a dengue, por exemplo, deverá redobrar a atenção com a Covid-19, porque é um vírus que ainda não se tem um tratamento. Se cada um fizer sua parte, não perderemos nenhuma vida para o novo Coronavírus”, concluiu Ortega.