Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 23 de Setembro de 2020

Coronavírus

Estado “planta” pior isolamento do País e deve colher pico de casos em 15 dias

Só pouco mais de um terço dos sul-mato-grossenses têm ficado em casa, índice que preocupa autoridades em Saúde.

Campo Grande News

05 de Maio de 2020 - 13:31

Estado “planta” pior isolamento do País e deve colher pico de casos em 15 dias

Em Mato Grosso do Sul, pouco mais de um terço da população (38,4%) ficou em casa no começo desta semana, índice que traduz a pior taxa de isolamento social do Brasil. O desrespeito à recomendação de evitar ir às ruas deve, na avaliação da SES (Secretaria de Estado de Saúde), provocar disparada de novos casos de covid-19 em duas semanas.

“Tivemos um aumento considerado substancial de ontem para hoje, diretamente relacionado à baixa taxa de isolamento que o Estado está vivendo agora”, disse a secretária-adjunta da SES, Crhistinne Maymone, durante transmissão ao vivo na manhã de hoje (5), ao comentar a inclusão de 9 novos casos. O total já chega a 283 ocorrências.

“A gente planta menos isolamento e colhe mais doença. Nós agora estamos colhendo a taxa de isolamento social de 15 dias atrás. Com pior taxa, de 38,4%, provavelmente o cenário daqui 15 dias será pior. Portanto, fique atento, fique em casa, use a máscara e aumente a higienização das mãos”, completou Crhistinne.

Titular da SES, Geraldo Resende reforçou que o novo coronavírus “é um inimigo ardiloso” e condenou a desobediência aos apelos diários pelo isolamento social.

“É vergonhoso e nos incomoda muito. Há muitos dias estamos nesse desonroso 27º lugar entre todas as 27 unidades da federação. Não gostaria de ser catastrófico, nem alarmista, mas todos os lugares do mundo onde houve relaxamento, aconteceu um número exagerado de mortes, como no estado de Nova Iorque, nos Estados Unidos”, destacou Geraldo Resende.

Só o condado de Nova Iorque soma 319 mil casos confirmados e 19,4 mil óbitos em decorrência do novo coronavírus.

O secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), Eduardo Riedel, engrossou o coro pelo isolamento social e salientou que só medidas restritivas de prefeituras e Executivo estadual não bastam.

"Importante dizer que o sucesso nosso em vencer essa pandemia tem a ver com medidas tomadas, mas principalmente com as atitudes de todos nós. Depende da nossa capacidade de manter cuidado, isolamento, distanciamento. Está longe de terminar essa pandemia no Estado".

Municípios - Segundo dados da startup In Loco, só dois no Estado apresentaram taxa de isolamento superior a 50% nesta segunda (4) - Ladário (52,2%) e Vicentina (50,8%). Autoridades em Saúde consideram satisfatório indicativo acima dos 60%.

Outras 21 cidades, ou seja, uma a cada quatro no Estado, registraram taxa de isolamento inferior a 35,9%. Destas, 9 têm casos confirmados. O índice ficou entre 36% e 45,9% em 55 municípios - Campo Grande, com 39%, entre eles.

Espalhada - Com os casos confirmados em Brasilândia e Guia Lopes da Laguna, a SES confirmou a propagação da doença em todas as 11 microrregiões de saúde do Estado. A divisa com São Paulo - estado que concentra a maior parte das ocorrências no País, com 32 mil e 2.654 mortes - demanda preocupação especial da pasta.

Dos oito municípios do lado sul-mato-grossense do Rio Paraná, cinco já têm casos confirmados. Três Lagoas, com 59 casos identificados pela SES e três mortes, só está atrás de Campo Grande (142).

Batayporã segue com 6 casos, dos quais dois terminaram em óbito; Bataguassu tem 2 casos; Brasilândia e Selvíria têm 1 cada. Ainda na região, mas fora da linha de divisa estão Nova Andradina (11) e Jateí (1).