Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 22 de Maio de 2022

Sidrolândia

Aprosoja refaz cálculos sobre perdas com seca e Sidrolândia perde 2ª posição no ranking

Confirmada está projeção de "quebra", Sidrolândia continuará como a terceira posição no ranking estadual de produção.

Redação/Região News

23 de Janeiro de 2022 - 21:58

Aprosoja refaz cálculos sobre perdas com seca e Sidrolândia perde 2ª posição no ranking
Foto: Divulgação

O período de seca e o volume de chuva abaixo do necessário para o pleno desenvolvimento da soja, provocaram um estrago maior que o inicialmente previsto nas lavouras de Sidrolândia. O relatório divulgado pela Aprosoja (Associação dos Produtores de Soja) na última sexta-feira aponta para uma perda de 16% na produtividade (de 67,14 para 57,20 sacas por hectare) em relação ao desempenho da safra passada. Confirmada está projeção de "quebra", Sidrolândia continuará como a terceira posição no ranking estadual de produção, atrás de Ponta Porã e Maracaju.

Com 261.297,96 hectares cultivados, os produtores sidrolandenses devem colher 896.774,25 toneladas. Em relação a safra passada, redução de 8,85%, 87.137,12 toneladas sobre de 993.911,3 obtidos ano passado. Já Ponta Porã, embora com uma produtividade menor (50,48/ha) que a sidrolandense, terá um volume de produção maior (915.400,29) porque o município fronteiriço tem uma área plantada 40 mil hectares maior (chega a 302.232,00 hectares).

Primeiro relatório

No primeiro relatório, a Aprosoja identificou que em Sidrolândia a estiagem afetou só 3% da área plantada, 7.838,94 hectares, que foram drasticamente afetados pela seca e 7% (18.290,85 hectares), apenas parcialmente. O impacto calculado foi uma queda de 11,17% na produtividade. A previsão é que ao invés de serem colhidas 67,14 sacas por hectare, como na safra passada, a produtividade ficasse em 60 sacas. Nesta estimativa, seriam colhidas 952.744,25 toneladas, redução de 3,27% sobre o resultado da safra passada; 983.911,32 toneladas, em 244.243,70 hectares plantados.

Em Ponta Porã, onde a área plantada passou de 282.506,19 hectares para 302.292,00/ha, a seca teria comprometido 23% desta área (69.513,36 hectares). Resultado: queda da produtividade, de 65,74 para 52,19 sacas por hectare. A produção reduzirá 15%, de 1.114.317,42 (mais de 1,1 milhão de toneladas) para 946.400,29 toneladas.

O novo relatório da Aprosoja mostra um cenário diferente. A área com produtividade comprometida aumentou 10 mil hectares, chega a 26.129,79 hectares, enquanto 78.389,36 hectares foram parcialmente afetados. A queda de produtividade cresceu 9,18%, de 67,14 para 60,77 sacas por hectare. Já a projeção de queda produtividade de Ponta Porã, cresceu 2,14% (de 52,19 para 50,48 sacas).

Panorama Estadual 

A estiagem provocou perdas de pelo menos 1 milhão de toneladas de grãos na safra de soja 2021/2022 em Mato Grosso do Sul. A estimativa é do projeto SIGA/MS (Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio), coordenado pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) em parceria com a Aprosoja/MS (Associação de Produtores de Soja) e Famasul (Federação da Agricultura).

Os técnicos do SIGA/MS fecharam esta semana um novo relatório sobre as condições das lavouras de soja. O boletim também traz informações climáticas catalogadas pelo CEMTEC/MS. Os dados apontam que, apesar da área ficar em 3,7 milhões de hectares, a produção total da soja será de 11,4 milhões de toneladas. A média de rendimento estimada que era de 56 sacas por hectare caiu para 50 sacas por hectare.