Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 25 de Fevereiro de 2024

Economia

Brasil e China assinam acordo para facilitar o comércio bilateral

G1

27 de Março de 2013 - 13:50

Brasil e China, por meio de seus bancos centrais, assinaram nesta terça-feira (26) acordo de troca de divisas (swap) de moeda local no montante de R$ 60 bilhões (190 bilhões de yuans ou cerca de US$ 30 bilhões), válido por três anos e com possibilidade de renovação.

O objetivo é proteger as operações comerciais e investimentos entre os dois países das oscilações do dólar.

Acordo pretende se transformar em uma proteção adicional contra o impacto da crise financeira global e as bruscas oscilações geradas na cotação do dólar

A linha, segundo comunicado do Banco Central do Brasil, "tem como objetivo facilitar o comércio bilateral entre os dois países".

As conversas para o estabelecimento do acordo tiveram início ainda no ano passado, durante a Rio+20.

"O acordo sinaliza um maior nível de cooperação entre autoridades monetárias, refletindo a importância estratégica do comércio bilateral entre os dois países", acrescentou o BC brasileiro.

"Nosso interesse não é estabelecer novas relações com a China, mas expandir relações a serem usadas no caso de turbulência nos mercados financeiros", disse o presidente do BC brasileiro, Alexandre Tombini, após a assinatura, segundo a agência Reuters.

Segundo resolução publicada pelo BC nesta manhã, e aprovada em reunião extraordinária do Conselho Monetário Nacional (CMN), "os valores em reais recebidos pelo Banco Popular da China serão creditados em conta especial de depósito aberta em seu nome no Banco Central do Brasil, sem remuneração ou acesso a crédito, cuja utilização será restrita às movimentações de recursos vinculadas à execução do contrato".

O comércio entre os dois países totalizou cerca de US$ 75 bilhões em 2012. Autoridades brasileiras disseram esperar que o acordo esteja em operação na segunda metade de 2013.

Início do acordo

O acordo começou a ser negociado em meados de ano passado e pretende se transformar em uma proteção adicional contra o impacto da crise financeira global e as bruscas oscilações geradas na cotação do dólar nos mercados internacionais.

Além do acordo cambial, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, devem assinar com as autoridades do Banco Central da China um convênio para fortalecer as relações econômicas e comerciais entre ambos os países, segundo a agência EFE.

A China é atualmente o maior parceiro comercial do Brasil e no ano passado a troca entre ambos os países alcançou a soma de US$ 85,7 bilhões, segundo dados do governo brasileiro.

A delegação brasileira que participará da cúpula dos Brics será liderada pela presidente Dilma Rousseff, que deve viajar para a África do Sul por volta da meia-noite de hoje.

Segundo dados dos Brics, os cinco países que o integram representam 42% da população mundial e cerca de 45% da força de trabalho que existe no planeta.

Em 2012, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul somaram 21% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e o comércio entre eles chegou a um total de US$ 282 bilhões.

Além disso, o crescimento da economia dos cinco países alcançou em 2012 uma média de 6,1%, e segundo previsões do próprio grupo, deverá ser de 6,9% em 2013.