Preços dos imóveis tiveram queda real no acumulado do ano, aponta FipeZap

Valor dos anúncios subiu 0,02% de janeiro a novembro, contra inflação esperada de 3,04% para o mesmo período.

Rio de Janeiro se manteve no topo da lista das cidades com o metro quadrado mais caro — - Foto: Lívia Torrres/G1

O preço médio dos imóveis ficou praticamente estável nos primeiros 11 meses de 2019, em alta de 0,02%, segundo pesquisa FipeZap divulgada nesta terça-feira (3). A variação é bem menor do que a inflação de 3,04% esperada para o mesmo período, o que significa uma queda real de 2,92% do preço dos imóveis.

A pesquisa monitora os valores de anúncios de casas e apartamentos à venda em 50 cidades. Para a comparação da variação desses preços com a inflação, o levantamento considera as previsões do Boletim Focus, do Banco Central, para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE).

Na passagem de outubro para novembro, não houve variação nominal de preços. Se considerada a inflação de 0,43% esperada para o mês, a queda real foi de 0,43%.

 

Em novembro de 2019, o preço médio de venda de imóveis residenciais calculado pelo levantamento foi de R$ 7.235 por metro quadrado. Entre os locais pesquisados, o Rio de Janeiro se manteve como a capital mais cara, com preço de R$ 9.347 por metro quadrado, seguida por São Paulo, com R$ 8.994, e Brasília, com R$ 7.354. Já entre as capitais monitoradas com menor valor ficaram Campo Grande (R$ 4.143), Goiânia (R$ 4.154) e João Pessoa (R$ 4.545).