Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 16 de Abril de 2024

Policial

"Arrastão" contra cigarros contrabandeados apreende 5 mil carteiras em 45 comércios

Midiamax

30 de Junho de 2011 - 11:47

A Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo) e a Vigilância Sanitária Municipal de Campo Grande apreenderam aproximadamente 5 mil carteiras de cigarros contrabandeadas que estavam sendo vendidas em 45 estabelecimentos comerciais do bairro Aero Rancho – região sul da Capital. A ação foi desencadeada na manhã de hoje, e os responsáveis pelo arrastão se dividiram em três equipes.

“Tivemos que traçar esta ação para conseguir apreender parte deste material, pois quando iniciamos a operação, os comerciantes são solidários em avisar aos outros, a fim de coibir o flagrante. Além disso, eles não colocam na prateleira todas as caixas de cigarros, apenas uma parte. Sendo assim, temos que fazer uma busca pelo local, para achar o estoque deste produto, o que demanda tempo e faz com que a informação do ‘arrastão’ se espalhe pela região”, explica o titular da unidade, Adriano Garcia Geraldo.

“Além disso, a operação não se resume só a isso, vamos fazer esta ação em outros bairros, mas não tem como divulgar a data e a localização, pois assim estaremos alertando os comerciantes, que estão na irregularidade”, finaliza.

O delegado contou que o objetivo principal dos trabalhos é apreender cigarros fabricados em outros países que entram ilegalmente no país, com dupla nocividade ao Brasil, sendo de tributação e saúde. “O que muita gente não sabe, ou ignora, é que estes produtos não têm quaisquer tipos de segurança e de vigilância, sendo impróprio para o consumo”.

Adriano resslatou que, os comerciantes foram notificados pelos crimes de relação ao consumo e tributário. “Eles terão que prestar esclarecimentos na Delegacia e sofrerão algumas sanções por conta do delito que cometeram. Além disso, receberam uma multa da Vigilância Sanitária”.

Já o órgão municipal enfatizou que, este valor varia de comerciante para comerciante, pois depende da quantidade de produto que estava exposto à venda.