Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 21 de Outubro de 2020

Policial

Assassinada com 10 tiros, Yasmin tentava se livrar do ex que a levou para o crime ainda adolescente, relata mãe

Ex-namorado levou a jovem de moto até o local onde cometeu o feminicídio

Midiamax

01 de Outubro de 2020 - 08:02

Um dia após a morte de Yasmin Beatriz Almeida Guedes, de 18 anos, a mãe Letícia Almeida agora viaja mais de 13 horas para poder velar e enterrar a jovem em Campo Grande. Abalada e muito triste com a perda da filha, Letícia conta como era o relacionamento dela com Hércules Alves de Souza, que teria chegado ao fim recentemente.

Ao Jornal Midiamax, a mãe de Bia conta que passou por momentos difíceis com os filhos e enfrentou problemas de relacionamento com eles. Mesmo assim, diz que a jovem era muito honesta e querida e deixa muitos amigos, por isso decidiu velar e sepultar a filha em Campo Grande.

Letícia lembrou das infrações pelas quais a filha já respondeu, quando adolescente, e lembra que a jovem conheceu Hércules em meados de 2014. “Foi quando ela cometeu o homicídio, sem querer porque estava de laranja uma biqueira”. Lamentando as escolhas de Bia, a mãe afirma que ela era amiga da vítima, Carlinda dos Santos, de 51 anos.

Ainda conta que Yasmin era quem cuidava de Carlinda quando ela usava entorpecentes e, no dia do crime, o responsável pela boca de fumo teria dito para a adolescente pegar a arma. Assim, ordenou que ele desse um susto em Carlinda, o que acabou resultando no disparo, que atingiu o olho da vítima.

“Foi o destino que ela escolheu”, diz Letícia. “Ela acabou se vinculando a esse caminho para ganhar dinheiro fácil”. Assim, segundo a mãe de Bia, foi nesta época em que a jovem e Hércules passaram a se relacionar.

Assumiu crime do namorado

Para Letícia, Bia teria confessado que chegou a assumir crime cometido pelo namorado. Na época houve um flagrante com arma de fogo e, como ela era adolescente, assumiu a culpa para livrar Hércules do crime. “Ela não queria mais fazer parte disso tudo, mas por amor a ele se envolveu em muita coisa”, diz a mãe da jovem.

Além disso, o casal foi flagrado em um crime de receptação, quando levava um carro ao Paraguai. No entanto, apenas Hércules foi responsabilizado no decorrer do processo.

Fim do relacionamento e feminicídio

O casal teria terminado o relacionamento, segundo relatou a mãe de Bia, e a jovem já não queria mais reatar. Então, Hércules teria feito chegar aos ouvidos da ex-namorada que já estava com outra mulher, inclusive que teria levado ela até a casa onde os dois moravam.

Assim, na noite do crime, o rapaz teria chamado a jovem para conversar. Como não tinha dinheiro para pagar a corrida do aplicativo, ele disse que pagaria até certo ponto, onde a encontraria e então buscaria de motocicleta. Foi assim que Bia encontrou com Hércules naquele início de madrugada.

“Ele fez ela descer da moto e já assassinou ela brutalmente”, diz a mãe da vítima. A foto de Hércules foi divulgada pela Polícia Civil, que desde o dia do crime faz buscas pelo rapaz. Mesmo com a certeza de que ele cometeu o feminicídio, a mãe de Bia afirma que não o condena, nem guarda mágoas.

“É muito triste, mas nossa dor é pela perda. Deus diz que não somos juízes, não estamos aqui para julgar ninguém. Não tenho raiva nem rancor desse rapaz, porque Deus não quer que eu tenha esse tipo de sentimento. E esse sentimento não cabe no meu coração, eu só tenho dor no meu coração”, disse.

O caso segue em investigação pela Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) e é tratado como feminicídio.