Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 14 de Junho de 2024

Policial

Bombeiros retiram mulher de torre de alta tensão e energia não pôde ser desativada

Midiamax

18 de Julho de 2012 - 13:00

Tanto a mulher de 36 anos, que tentou o suícidio na manhã desta quarta-feira (18), na avenida Cristo Redentor, em Campo Grande, quantos os bombeiros que a socorreram, poderiam ser eletrocutados a qualquer momento, já que o comando do disjuntor que desliga a torre de energia de 128 mil volts, foi transferido para Porto Velho (RO), na semana passada.

Foto: Graziela RezendeA informação é dos funcionários da Eletrosul (Central Elétrica de Mato Grosso do Sul), que acompanhavam o socorro feito à mulher e denunciaram que o sistema foi desativado em Campo Grande, causando a transferência de muitos trabalhadores e a demissão dos que não aceitaram a mudança. Este, inclusive, foi o motivo de revolta por parte de quem ficou, culminando na greve da categoria deflagrada na segunda-feira (16).

“Além da reivindicação salarial, esse é o motivo da nossa revolta e por isso decidimos entrar em greve. No momento em que pediram para desativarmos o sistema, para evitar a morte da mulher caso ela encostasse em uma linha, no topo da torre de 27 metros de altura, não pudemos fazer nada. Na semana passada, simplesmente disseram que o comando da subestação seria transferido para outra cidade e é de lá que viria o controle da torres”, afirma um dos grevistas, que preferiu não se identificar.

No total, ele afirma que são 70 funcionários em Mato Grosso do Sul, sendo 50 na linha de manutenção em Campo Grande e o restante distribuídos nas cidades de Dourados e Água Clara. “Não gostamos de perder o nosso emprego e também queremos reajuste salarial e melhores condições de trabalho. A greve também está ocorrendo em 90% do grupo Eletrobrás, que conta com 26 mil trabalhadores”, fala o grevista.

A greve foi deflagrada na segunda-feira (16), por tempo indeterminado. De acordo com o diretor do Sinergia- MS (Sindicato dos Trabalhadores na Energia e Comércio de MS), Vicentino Prestos Martins, a paralisação decorre da intransigência do Governo Federal em continuar negociando o Acordo Coletivo de Trabalho da Categoria”, afirma o diretor.

Os grevistas permanecem nas proximidades da torre onde Edna Fernandes Garcia, 36 anos, foi socorrida. Após se retirada, a mulher foi encaminhada a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro Tiradentes.

O jornal entrou em contato com a assessoria regional da Eletrosul, mas foi informado de que não se pronuncia sobre a greve e que o assunto está sendo tratado em Florianópolis (SC).