Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 5 de Dezembro de 2021

Policial

Cabo da PM e outros 4 são presos por tráfico de drogas e lavagem de dinheiro

Durante o acompanhamento, os policiais perceberam que mais dois veículos, sendo um Toyota Corolla e um veículo importado, KIA, também acompanhavam o GM Cruzer.

Dourados Agora

21 de Agosto de 2013 - 14:28

Um cabo da Polícia Militar de Ponta Porã e outras quatro pessoas foram presas em Dourados por tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. Todos estão detidos na Polícia Federal.

A prisão do grupo ocorreu ontem após o recebimento de denúncia anônima, dando conta de que um veículo GM Cruze estaria transportando entorpecente. Com as informações, os policiais federais acompanharam o veículo durante sua movimentação em Dourados.

Durante o acompanhamento, os policiais perceberam que mais dois veículos, sendo um Toyota Corolla e um veículo importado, KIA, também acompanhavam o GM Cruzer. Todos os ocupantes dos veículos se hospedaram num hotel da cidade e, entre segunda e terça-feira se deslocavam no hotel sempre juntos, inclusive durante o café da manhã.

Por volta das 6 horas desta quarta, quando os veículos saíram do estacionamento do hotel, a equipe policial resolveu abordá-los, vindo a localizar 59,3 kg de Cocaína, acondicionados no painel do veículo GM Cruzer, conduzindo os três veículos e ocupantes até a delegacia.

A Polícia Federal divulgou apenas as iniciais dos nomes dos presos. São eles: C.A.B., 26 anos, autônomo, que estava dirigindo o veículo GM Cruzer; A.M.S., 35 anos, comerciante, que estava acompanhado do Cabo da PM de Ponta Porã, A.A.A.G., de 45 anos; J.B.G., 43 anos, técnico em som, acompanhado de E.M.F., 42 anos, todos residentes em Ponta Porã.

Eles foram presos, segundo a PF, pelos incursos nas penas do Artigo 33 c/c 40 da Lei nº 11.343/2006(tráfico de drogas interestadual) e Artigo 1º, da Lei nº 9613/98(lavagem de dinheiro).

C.A.B., confessou que receberia R$ 12 mil para levar a droga até Curitiba/PR, sendo que os demais integrantes da quadrilha se reservaram no direito de só falar em Juízo.