Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Janeiro de 2021

Policial

Dupla de “pintores” usa o intervalo do trabalho para assaltar comércio

Wesley Henrique dos Santos, de 26 anos e Anderson Luiz Pagliocchi, de 22 anos furtaram R$ 150 do caixa

MidiaMax

06 de Agosto de 2014 - 09:04

Nas horas de intervalo de uma construção civil, dois pintores aproveitam para realizar assaltos em Campo Grande. Eles foram identificados como Wesley Henrique dos Santos, de 26 anos, e Anderson Luiz Pagliocchi, de 22 anos. A dupla foi detida pela Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos).

Na sexta-feira (1º), por volta das 11 horas, os dois pegaram emprestada uma motocicleta, que pertencia a uma colega de trabalho e assaltaram uma casa de carne localizada na Vila Olinda. Um deles estava armado com um revólver calibre 38. Além disso, foi percebido que a Honda Fan, vermelha, estava sem placa.

Durante o assalto, os dois pediram o dinheiro do caixa, que tinha aproximadamente R$ 150, e fugiram em seguida. Uma funcionária do local acionou a PM (Polícia Militar) pelo 190 do Ciops (Centro Integrado de Operações de Segurança), após o roubo.

Os militares fizeram rondas pela região e após duas horas descobriram o paradeiro de um dos suspeitos. Anderson estava na própria casa, e com ele, o valor de R$ 65 e o revólver, que foi escondido no forro da imóvel.

Anderson acabou entregando o comparsa. Ele apontou uma obra no Bairro Pioneiro, onde Wesley estaria trabalhando. No local delatado, o rapaz foi detido e a motocicleta localizada.

Foi verificado que a proprietária não sabia que os dois tinham cometido um assalto com o veículo dela, portanto, ele será devolvido. “Tudo leva a crer que esta não foi à primeira vez que eles fizeram assaltos na região e com a divulgação da prisão deles, acreditamos que mais vítimas vão reconhecê-los”, afirma o delegado responsável pelo caso, Fabiano Nagata.

Os dois envolvidos contaram para a reportagem que agiram em um momento de bobeira. “Foi à primeira vez que fiz isso”, diz Wesley e completa Anderson, “a arma eu comprei por R$ 1,5 mil para a minha defesa e não para praticar assaltos”.