Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 18 de Maio de 2021

Policial

Homem mandou netos saírem de casa para matar esposa que queria separação

Santos começaria em um novo trabalho hoje (segunda-feira) e, como deveria deixar a residência, preferiu matar a esposa a ter que se separar.

Correio do Estado

05 de Dezembro de 2016 - 15:18

Principal suspeito de matar a esposa, Wilma de Souza Xavier, de 50 anos, José Elivalto Bento Santos, de 40, teria premeditado o crime por não aceitar o fato de que ela queria separação. Mulher foi assassinada com facadas no pescoço no sofá da residência do casal, na tarde de ontem, em Três Lagoas.

De acordo com a titular da Delegacia de Atendimento à Mulher (DAM) do município, Letícia Móbis, há vários meses vítima pedia a separação e o combinado era que assim que o esposo arrumasse um novo emprego, ele deveria sair de casa.

Santos começaria em um novo trabalho hoje (segunda-feira) e, como deveria deixar a residência, preferiu matar a esposa a ter que se separar.

Por volta de 11h de ontem, ele pediu para os netos de Wilma, que moravam na mesma casa, saírem para comprar bombinhas. Assim que eles saíram, José Elivalto esfaqueou a mulher, jogou um cobertor em cima do corpo para simular que ela estava dormindo e fugiu.

Corpo da vítima foi encontrado pelos netos, quando retornaram à casa. Eles chamaram os vizinhos, que acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a Polícia Militar (PM), mas vítima já estava morta. 

Delegada disse ao Portal Correio do Estado que suspeito é do Sergipe e fugiu levando dinheiro de rescisão contratual do emprego. Polícia suspeita que ela possa ter retornado ao estado e vai pedir apoio à polícia nordestina.

Ainda conforme a delegada, não havia boletim de ocorrência registrado contra o suspeito, mas testemunhas disseram que casal brigava constantemente por conta de ciúmes que o rapaz sentia de Wilma.

Mulher era proprietária de um bar que ficava na frente da residência e esposo impedia que ela atendesse no local, além de impedir que ela mantivesse relacionamento com a família, sendo todo contato limitado por ele.

Polícia já ouviu testemunhas e familiares ainda serão ouvidos. Caso, registrado como feminicídio, está sendo investigado.