Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 18 de Maio de 2021

Policial

Ladrão que estava com carro de procurador morre em confronto com o Choque

Um dos tiros que Murilo disparou acertou carregador de fuzil que estava em colete balístico que policial usava. Murilo

Correio do Estado

24 de Dezembro de 2016 - 12:00

Murilo Henrique Crisanto de Lima, 21 anos, foi morto a tiros em confronto com policiais do Batalhão de Choque, por volta das 3h30min de hoje, no Jardim Noroeste, em Campo Grande. Ele estava na frente da casa onde morava, em poder de dois automóveis furtados, um deles Veloster que pertence a procurador da Justiça.

De acordo com informações do tenente Pablo Soares, equipe de militares atuava pela região quando se deparou com dois homens parados em atitude suspeita, perto do Veloster que estava estacionado em via pública.

Ao perceber a aproximação da viatura, a dupla correu. Um dos homens foi para matagal e o outro entrou no imóvel em que estava em frente. “A pessoa que foi para o matagal não foi encontrada. Já Murilo recebeu orientação para sair da casa, mas atirou contra a equipe que revidou”, citou o oficial.

Um dos tiros que Murilo disparou acertou carregador de fuzil que estava em colete balístico que policial usava. Murilo foi atingido por três disparos no abdômen e chegou a ser levado à Santa Casa, no entanto não resistiu.

Dentro da residência, havia Cruze também com registro de furto. Segundo o tenente, o criminoso tinha mais de 80 passagens pela polícia. Revólver de calibre 38 que estava com Murilo foi apreendido, além de produtos que havia na casa de origem suspeita.

CAMARO

A suspeita é que os veículos fossem ser levados para o Paraguai. Incompatível com o estilo de vida dos moradores, dias atrás vizinhos do imóvel onde o confronto aconteceu fotografaram Camaro de cor amarela no quintal. 

O veículo foi recuperado em Ponta Porã, na terça-feira. Homem, de 36 anos, que dirigia a caminho do país vizinho alegou que havia pegado o carro de dois desconhecidos, na MS-164, região da saída para Antônio João. Ainda não foi divulgado quando os furtos do Cruze e Veloster ocorreram.