Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 7 de Maio de 2021

Policial

Laudo sobre possível aborto deve sair na próxima semana

Ao chegar ao local encontraram muito sangue no quarto da mulher e um bebê, de 48 centímetros, enrolado em um cobertor morto em cima da cama

Midiamax

13 de Janeiro de 2017 - 10:43

O laudo sobre a morte do bebê na madrugada desta quinta-feira (12), no Bairro Zé Pereira, em Campo Grande, encontrado enrolado em um cobertor em cima da cama da residência da mãe, de 35 anos, deve sair na próxima semana.

Fontes policiais afirmam que só com o laudo pode ser determinada como ocorreu a morte do bebê, que estava com 48 centímetros. A polícia investiga se foi aborto ou um infanticídio. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e o Corpo de Bombeiros foram acionados por volta das 3 horas da madrugada desta quinta-feira (12), por causa de um sangramento na residência, no Bairro Zé Pereira.

Ao chegar ao local encontraram muito sangue no quarto da mulher e um bebê, de 48 centímetros, enrolado em um cobertor morto em cima da cama. A filha da mulher disse aos policiais que não sabia que sua mãe estava grávida.

De acordo com ela, a mãe teria ido ao banheiro no dia anterior, por volta das 19 horas e pedido a jovem um remédio, já que estava com dor de cabeça. A menina entregou a mãe dipirona, que tomou e foi se deitar.

Já na madrugada, ao se levantar da cama a mulher acabou escorregando e caindo no quarto foi quando percebeu o sangue no chão. A filha chamou o Samu, que levou a mulher para a Santa Casa da Capital, onde permanece internada.

A mulher contou aos policiais a mesma versão da filha, que tinha se deitado por volta das 19 horas e durante a madrugada sentiu o lençol molhado, mas não se levantou e apenas se cobriu. Mas, quando se levantou acabou caindo por causa do sangue. Ela ainda disse que a família não sabia da gravidez.

A mãe da vítima, que estava no local, relatou que a filha tinha perdido o pai há poucos meses e que desconfiava que a filha estivesse com depressão, e que não sabia que ela estaria grávida. A polícia não encontrou nenhum medicamento abortivo na residência.