Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 27 de Outubro de 2020

Policial

Mandantes da execução de delegado seguem impunes seis meses depois

A vítima ainda finalizava a divulgação do seu livro “Conspiração Federal”, inclusive com a disponibilização gratuita pela internet

Campo Grande News

28 de Dezembro de 2013 - 09:53

Possível vítima de suas investigações e denúncias, o advogado e delegado aposentado Paulo Magalhães de Araújo, 57 anos, foi executado no dia 25 de junho deste ano, em Campo Grande. O crime causou revolta de familiares, amigos e alunos da vítima, que ainda exercia a função de professor universitário. Seis meses após o fato, dois culpados foram denunciados. No entanto, os “mandantes” continuam impunes.

"Esta foi e é uma investigação complexa. O crime ocorreu praticamente no centro de Campo Grande, na porta de uma escola e que teve como vítima um professor, ex-delegado, advogado e pai de família, por isso tamanha repercussão social. Para nós, no entanto, a investigação de um homicídio é sempre a mesma, envolvendo certo risco", afirma o delegado Alberto Vieira Rossi, um dos responsáveis pela investigação.

Dias antes, Magalhães estava envolvido nas manifestações populares ocorridas na Capital, para pedir a aprovação da PEC 37, que limitaria o poder de investigação do Ministério Público. A vítima ainda finalizava a divulgação do seu livro “Conspiração Federal”, inclusive com a disponibilização gratuita pela internet. Ele, porém, logo depois recebeu a notícia de proibição dos downloads pela 15ª Vara Cível.