Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 17 de Junho de 2024

Policial

PM vai pedir à Justiça que vândalos recuperem posto de Anhanduí

Unidade foi destruída no domingo por grupo de jovens, após confusão em festa religiosa

Campo Grande News

19 de Junho de 2012 - 09:25

A Polícia Militar de Mato Grosso do Sul vai pedir à Justiça que o grupo que ateou fogo ao posto da corporação em Anhanduí trabalhe na recuperação do local. Nove pessoas foram apontadas como responsáveis pelo vandalismo, entre elas uma menina de 13 anos e um adolescente de 14 anos. O grupo chegou usar um trator para tentar invadir o local.

O comandante-geral da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, coronel Carlos Alberto David dos Santos, informou que a intenção é pedir ressarcimentos pelos prejuízos e que a punição por meio do trabalho é uma forma de servir de exemplo para outros jovens.

Segundo ele, ainda não foi calculado o prejuízo. A unidade onde 17 policiais trabalhavam ficaram destruídas. Até a transmissão por rádio foi afetada.

Além de ar-condicionado, sofá, cadeiras e armários de aço, vários documentos também foram queimados, incluindo o aparelho de radiocomunicação com o Ciops (Centro Integrado de Operações de Segurança ), que recebe os chamados do 190.

A expectativa, conforme o comandante-geral da PM, é que até amanhã seja reestabelecida a comunicação via rádio com o Ciops em Anhanduí. O oficial confirmou que a PM continuará no mesmo local, após o reparo.

Um inquérito por dano ao patrimônio público foi aberto contra os envolvidos. “Eu vou remeter o caso à Sejusp (Secretaria de Segurança Pública) para buscar ressarcimento por parte dessas pessoas”, declarou o comandante.

De acordo com a PM, a confusão que resultou na destruição do posto começou quando quatro pessoas foram detidas após terem chegado fazendo algazarra em uma festa religiosa, no assentamento Sucesso.

Os três policias que estavam de plantão deixaram a base para atender a ocorrência e levar os apreendidos e detidos para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do bairro Piratininga, em Campo Grande. Revoltados, amigos dos jovens aproveitaram para cometer o ato de vandalismo.