Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 21 de Outubro de 2020

Policial

Polícia Civil não confirma versão de que mulher cometeu crime para escapar de estupro em Sidrolândia

Vanessa é uma velha conhecida da Polícia, assim como o seu marido, Paulo Henrique. Ela é a principal suspeita da morte de Salmo Soares

Flávio Paes/Região News

31 de Julho de 2014 - 11:00

A Polícia Civil de Sidrolândia não confirma a versão sustentada por Vanessa dos Santos Coutinho, que alegou legítima defesa para justificar o crime que cometeu nesta madrugada, quando matou a facadas José Aparecido dos Santos, supostamente, para se livrar do assédio da vítima que estaria tentando estuprá-la.

Vanessa voltou às celas da delegacia dois dias depois de ter sido presa, em companhia do marido, Paulo Henrique e de um comparsa, Elsom Casemiro. Na segunda-feira a noite, a PM estourou uma boca fumo que funcionava na casa de Vanessa, na Rua Afonso Pena, cenário do crime desta madrugada, onde funciona um bar e ao que consta, é um ponto de prostituição.  

Pelo que se apurou inicialmente, tanto o homem morto, quanto a suspeita do homicídio, estavam embriagados, se desentenderam, começaram uma discussão que culminou com a investida de Vanessa. Ela quebrou uma garrafa na cabeça da vítima, tomou a faca com que Aparecido supostamente a ameaçava,  desferindo cinco golpes na altura do pescoço dele. “No mínimo ela se excedeu”, comenta o delegado.

O crime aconteceu na Rua Afonso Pena, no Bairro São Bento, residência de Vanessa, que mantém no local um bar e um ponto de prostituição, onde os militares na segunda-feira apreenderam mais de 300 gramas de maconha e trouxinhas de pasta base de cocaína. Nesta operação além de Vanessa, foi preso o marido dela, Paulo Henrique de Lima e um comparsa, Elson Casemiro.

Vanessa é uma velha conhecida da Polícia, assim como o seu marido, Paulo Henrique. Ela foi acusada de uma tentativa de homicídio de Salmo Soares, a quem teria esfaqueado no tórax na madrugada do dia 3 de junho do ano passado. O crime foi na Rua Ipê, Bairro Pé de Cedro.  Já José Aparecido dos Santos, que foi morto por Vanessa, estava cumprindo pena por homicídio em regime semi-aberto.

Em 2010 ele teria estuprado e estrangulado uma jovem identificada como Andressa, a “Polaca”, conhecida catadora de material reciclável, que era amiga de Vanessa. O corpo de Polaca foi encontrado nas proximidades do Jockey Club, as margens da rodovia BR-060 na saída para Maracaju.