Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 9 de Maio de 2021

Policial

Polícia encontra mais duas ossadas e drone sobrevoa terreno

Ontem, mais uma ossada tinha sido encontrada pela Polícia Civil e já são seis corpos achados desde que as buscas começaram, neste mês.

Correio do Estado

23 de Novembro de 2016 - 13:37

Mais duas ossadas de pessoas que foram vítimas de grupo que explorava sexualmente e executava adolescentes e jovens foram encontradas na manhã desta quarta-feira, no Jardim Veraneio, em Campo Grande.

Ontem, mais uma ossada tinha sido encontrada pela Polícia Civil e já são seis corpos achados desde que as buscas começaram, neste mês. Equipes continuam fazendo varredura no terreno em busca de mais dois corpos. Drones são usados pela polícia para sobrevoar o terreno.

O CASO

A polícia começou a investigar o caso em setembro, quando Leandro Aparecido Nunes Ferreira, de 28 anos, considerado um dos líderes do grupo, morreu depois de ser ferido a tiros e se envolver em um acidente, no dia 6 de setembro, na BR-163, em Campo Grande.

Durante as apurações do caso, a polícia descobriu que um adolescente tinha matado Leandro porque o irmão desse menino estava desaparecido e era vítima do grupo liderado pelo criminoso. A partir daí, o adolescente colaborou com a polícia e deu detalhes sobre o esquema.

Conforme a delegada, Leandro e pelo menos mais sete pessoas, entre elas duas mulheres, aliciavam adolescentes que viviam nos bairros citados no início da reportagem para que eles fossem abusados sexualmente. As vítimas, conforme a delegada, eram vulneráveis e muitas delas viviam em situação de miséria.

Além de lucrar com os programas sexuais a que os adolescentes, meninos e meninas, eram submetidos, o grupo também ganhava com o aumento do tráfico de drogas na região.

Comerciantes e moradores dos bairros tinham conhecimento do esquema, segundo a polícia, mas temiam denunciar o caso. Casas e estabelecimentos comerciais, inclusive, eram usados pelos criminosos como ponto de encontro entre os abusadores e as vítimas.

Quando algum adolescente queria deixar o esquema ou se desentendia com cliente ou líder do grupo, os bandidos desapareciam com as vítimas. A suspeita da polícia é que os adolescentes eram assassinados.