Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 8 de Maio de 2021

Policial

Policial teve "postura colaborativa" e ficou abalado, diz advogado

Ricardo foi preso em flagrante, mas foi solto na noite de domingo (1º), um dia depois do crime. A Justiça não converteu a prisão em preventiva.

Campo Grande News

03 de Janeiro de 2017 - 10:45

O advogado de defesa do policial rodoviário federal Ricardo Hyun Su Moon, 47 anos, que disparou sete tiros e matou o empresário Adriano Correia do Nascimento, 33 anos, após briga no trânsito, na avenida Ernesto Geisel, no sábado (31), alega que o caso abalou psicologicamente seu cliente. A estratégia, agora, é provar que ele adotou uma "postura colaborativa" na abordagem.

Ricardo foi preso em flagrante, mas foi solto na noite de domingo (1º), um dia depois do crime. A Justiça não converteu a prisão em preventiva.

Em entrevista por telefone, o advogado Márcio Messias Oliveira afirma que não houve nada de concreto que determinasse a prisão preventiva de seu cliente. Pois, o policial colaborou com os investigadores permanecendo no local, ligando para a Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.

Ao ser questionado se Ricardo queria dar sua versão sobre o caso, o advogado disse que, diante da repercussão, o policial não tem condições psicológicas de dar entrevista. “Foi uma fatalidade e mexeu com ele. Ele poderia muito bem ter fugido e se apresentado depois, que não ficaria preso". 

O policial foi afastado de suas atividades na PRF (Polícia Rodoviária Federal), está proibido de sair do Brasil, portar arma de fogo e sair no período noturno. A OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional de Mato Grosso do Sul) se posicionou contra a concessão de liberdade provisória ao policial e afirma que vai acionar CNJ (Conselho Nacional de Justiça) contra a decisão. 

O advogado de defesa justifica que em situação de flagrante, o juiz tem duas opções: decretar a prisão preventiva ou conceder a liberdade se a pessoa tiver requisitos para isso como endereço fixo, trabalho lícito e não tiver antecedentes criminais. "Ricardo teve uma conduta colaborativa e passou a virada do ano em uma delegacia", afirmou.

Crime - Ricardo seguia em uma Mitsubishi Pajero e disparou contra uma Hilux, conduzida pelo empresário Adriano, que tinha como passageiros Agnaldo Espinosa da Silva, 48 anos, e o filho dele de 17 anos.

A confusão começou depois de uma fechada no trânsito, na Avenida Ernesto Geisel, região central de Campo Grande. O empresário foi atingido no pescoço, perdeu o controle da direção e o veículo derrubou um poste de iluminação pública.

Correia morreu no local. Agnaldo e o filho ficaram feridos e foram socorridos à Santa Casa. Apesar de indiciado em flagrante pela Polícia Civil, Moon responderá o processo em liberdade. O policial alega legítima defesa.