Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 25 de Maio de 2022

Policial

Presa quadrilha que planejava roubos a mando de presidiários

Os primeiros detidos foram o adolescente de 16 anos, Thiago Souza dos Santos, de 18 anos e Luan Lafta da Silva, de 20 anos.

Correio do Estado

04 de Dezembro de 2015 - 15:47

Quatro integrantes de uma quadrilha que planejava roubos a mando de presidiários, em Campo Grande, foram presos ontem (3) por policiais da Delegacia Especializada de Repressão a Crimes de Roubos e Furtos (Derf). Os bandidos planejavam os roubos de uma carga de caminhão na BR-163, duas caminhonetes e em uma joalheria. Um adolescente também foi apreendido e outro envolvido conseguiu fugir. 

Douglas da Silva Teixeira, de 26 anos, é apontado como líder do grupo e era o responsável por manter contato e receber as instruções para a prática dos roubos. As informações eram repassadas a Douglas por três detentos da Penitenciária Máxima de Campo Grande.

Os primeiros detidos foram o adolescente de 16 anos, Thiago Souza dos Santos, de 18 anos e Luan Lafta da Silva, de 20 anos. O três foram abordados na Avenida Guaicurus, no Bairro Campo Alto, quando seguiam para a casa de Douglas, no Bairro Jardim Talismã.

Os investigadores foram até a casa no Jardim Talismã e prenderam Douglas e Ely. Um sexto envolvido conseguiu fugir.

Segundo o delegado Reginaldo Salomão, as informações sobre um possível grupo que estaria planejando roubos chegaram aos investigadores, nesta semana, e depois de análise no sistema policial e verificação sobre os supostos envolvidos, os investigadores fizeram monitoramento durante dois dias para confirmar a suspeita.

A polícia também descobriu que o grupo se reuniria, na quinta-feira (3), na casa de Douglas para receber as instruções sobre os roubos. O primeiro roubo aconteceria nesta sexta-feira (4), em uma joalheria e a quadrilha também planejava roubar uma carga que chegaria pela BR-163 e depois duas caminhonetes que seriam levadas ao Paraguai. De acordo com as investigações, três presos comandavam as ações.

Cada integrante portava uma arma e responderão por associação criminosa, porte ilegal de arma e corrupção de menores. O adolescente foi ouvido e liberado.