Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 30 de Novembro de 2020

Policial

PRF diz que motorista é inconsequente e anda em média a 170 km/h

Neste ano, também foram autuados 101 motoristas por dirigirem embriagados. No total, 35 pararam atrás das grades.

Campo Grande News

06 de Março de 2014 - 16:10

Após mais uma edição da Operação de Carnaval, a PRF (Polícia Rodoviária Federal) classificou os motoristas como “inconsequentes e irresponsáveis”, principalmente, por andarem, em média, a 170 km/h, acima dos 110 km/h permitidos por lei.

“É difícil você ver um carro a 100 ou a 110 km/h, a média é de 170 km/h, tem veículo andando a 190 km/h”, detalhou o inspetor da PRF, Airton Metti Junior, em entrevista coletiva, nesta quinta-feira (6).

A constatação ocorreu após 150 policias federais potencializarem as fiscalizações de 24 de fevereiro a 5 de março, nas rodovias que cruzam Mato Grosso do Sul. A monitoração da velocidade contou com o auxílio de oito radares fotográficos.

“As maiores causas de acidente são o excesso de velocidade e as ultrapassagens perigosas”, ressaltou o inspetor. “Isso mostra que o condutor é inconsequente e irresponsável”, concluiu sobre os números da velocidade.

Menos mortes - Apesar de abusar na hora de apertar o acelerador, este ano o número de acidentes e de mortes reduziu em comparação a 2013.

No ano passado, foram registrados 71 acidentes sem vítima contra 52, em 2014. Com feridos, a quantia passou de 42 para 41 e, este ano, morreram duas pessoas contra sete, em 2013.

Neste ano, também foram autuados 101 motoristas por dirigirem embriagados. No total, 35 pararam atrás das grades. Em 2013, foram pegos pelo bafômetro 109 condutores, dos quais 42 foram presos.

Ainda na operação deste ano, a PRF apreendeu duas armas de fogo, 10 quilos de cocaína, 500 de maconha e 200 frascos de lança-perfume. No total, foram fiscalizadas 18.460 pessoas contra 14.360, em 2013.

Neste ano, os policiais fizeram questão de serem vistos para inibir o desrespeito das regras de trânsito. Eles deram prioridades para pontos críticas, nas regiões de Campo Grande, Coxim, Dourados e Mundo Novo.