Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 24 de Outubro de 2021

Policial

SIG prende suspeito de aplicar golpes de mais de R$ 1 milhão em Três Lagoas

Silva financiava veículos em nome de terceiros, os vendia sem o consentimento do proprietário e se apoderava do valor da venda; quando acumulava uma quantia em dinheiro, fugia da cidade

Hoje MS

19 de Setembro de 2013 - 09:00

Policiais Civis da SIG (Setor de Investigações Gerais) de Três Lagoas prenderam na quarta-feira (18) um suspeito de aplicar mais de R$ 1 milhão em golpes no município. A informação é do delegado que está à frente do caso, Thiago José Passos. O delegado revelou que Fábio Pereira da Silva, 41 anos, já era investigado pelas polícias civis de São Paulo e Rio Grande do Sul.

O suspeito foi identificado após a Polícia Civil de Três Lagoas ser informada pela polícia de outros estados que Silva agia no município. “Encontramos a casa do suspeito e após seis horas conseguimos abordá-lo. No local, notamos que o suspeito já estava desconfiado da ação da polícia, pois seus móveis estavam encaixotados”, disse o delegado. Silva agia no município há três anos e segundo Passos, era muito discreto em suas ações.

Silva financiava veículos em nome de terceiros, os vendia sem o consentimento do proprietário e se apoderava do valor da venda; quando acumulava uma quantia em dinheiro, fugia da cidade. “Em sua residência e em garagens espalhadas pela cidade apreendemos 12 veículos envolvidos no esquema. Vale ressaltar que investigaremos os nomes das pessoas em que os carros foram financiados para apurar se eles também estão envolvidos com o estelionatário”, contou o delegado.

Além dos veículos, os policiais ainda apreenderam na casa do suspeito uma arma de uso restrito da polícia e munições intactas. “Ele foi ouvido e preso. As polícias de RS e SP já foram comunicadas para que também realizem os procedimentos de praxe”, disse o delegado, enfatizando que também foram encontradas algumas peças aleatórias de veículos, que passarão por uma minuciosa perícia para que as procedências sejam confirmadas. “Podemos estar lidando com um desmanche”, finalizou Passos.