Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 22 de Abril de 2021

Policial

Total de assassinatos neste início de mês já se iguala a número registrado em todo novembro de 2013

Do total de homicídios registrado este ano, 11 aconteceram nas aldeias, 13 no interior de residências e 32 em vias públicas

Dourados News

05 de Novembro de 2014 - 09:09

Nos quatro primeiros dias do mês de novembro já foram registrados cinco assassinatos em Dourados. Esse número se iguala ao total de crimes do mesmo tipo registrados no decorrer do mesmo mês durante o ano passado.

Paralelo a essa informação, os números mostram que os homicídios na cidade tem crescido. Conforme dados da Polícia Civil, até o final de outubro de 2013 o total de mortes por assassinato era de 47. Neste mesmo período em 2014, esse número já alcança 56, ou seja, um aumento de quase 20%.

Em fevereiro deste ano, o site havia mostrado em uma reportagem sobre os assassinatos na cidade que naquele mês, uma pessoa era morta no município a cada 60h. 

Do total de homicídios registrado este ano, 11 aconteceram nas aldeias, 13 no interior de residências e 32 em vias públicas. Para o delegado regional da Polícia Civil em Dourados, Antônio Carlos Videira, o que tem motivado boa parte desses crimes é o consumo excessivo de bebida alcoólica.

“É notório que esses crimes acontecem aos finais de semana, os autores costumam estar embriagados e os motivos diversas vezes são fúteis”, comentou Videira.

Nos casos ocorridos em vias públicas, o delegado afirma que a motivação geralmente vem de desentendimentos entre os envolvidos que nesse caso costumam ter ligação ao tráfico de drogas.

“Nessa situação os autores e as vítimas costumam estar envolvidos com o tráfico ou já possuem antecedentes criminais, aí tem questões de dívidas e vinganças”, pontuou o delegado.

O índice de esclarecimento dos homicídios ocorridos em Dourados é de 61%. De acordo com dados registrados em 2014, 34 já foram esclarecidos, com 63 pessoas envolvidas presas, indiciadas ou apreendidas.

O delegado afirma que a polícia civil tem trabalhado para prevenir homicídios. “O trabalho de prevenção é essencial, temos feito blitz, fiscalizando as vias, revistando suspeitos. Quanto a repressão é fato que quando reprimimos os autores, evitamos que eles voltem a matar ou que morram vítima de vingança”, destacou Videira.

Assassinatos em Novembro

No primeiro dia do mês, uma mulher indígena foi encontrada morta com pelo menos 35 facadas, às margens da rodovia BR-163, na altura do KM 261, nas proximidades dos túneis que dão acesso ao Parque das Nações.  Também no dia primeiro, um aposentado foi encontrado morto no Jardim Guaicurus, assassinado com cinco tiros.

No domingo (02) um adolescente foi assassinado no Jardim Piratininga enquanto tomava tereré na companhia de amigos em frente à casa em que morava. 

Ainda no domingo (02), um indígena foi atingido com uma tijolada na cabeça durante briga com a esposa, vindo a falecer no dia seguinte (03).  Na madrugada desta terça-feira (04), um homem foi assassinado com três tiros em uma festa privada em uma chácara.