Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 1 de Agosto de 2021

Sidrolândia

Agesul vai pedir licença ambiental e retomar obra de acesso ao frigoríficopq

Flávio Paes/ RN

07 de Março de 2021 - 20:44

Agesul vai pedir licença ambiental e retomar obra de acesso ao frigoríficopq
Nos próximos dias a Agesul vai apresentar o pedido de licenciamento ambiental da obra para a Secreta Municipal de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente. Foto: Arquivo RN

A prefeita Vanda Camilo (PP) aparentemente conseguiu convencer o empresário Silvio Martins a dar anuência para a passagem da tubulação e com isto, será retomada a obra do acesso ao Frigorífico Balbinos paralisada desde janeiro. Nos próximos dias a Agesul (Agência Estadual de Empreendimentos) vai apresentar o pedido de licenciamento ambiental da obra para a Secreta Municipal de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente.

Embora não tenha confirmado a informação (por telefone se limitou em dizer que o assunto deveria ser tratado no setor de Meio Ambiente), o empresário pode ter dado anuência após conhecer em detalhes o projeto que terá duas alternativas de traçado dentro do pesqueiro, cabendo a ele escolher a que trouxer menor impacto para suas atividades.

Diante da resistência inicial do empresário, a Agesul aventou a possibilidade de fazer uma readequação do projeto, ampliando em quase um quilômetro a tubulação, fazendo um traçado da drenagem contornando as lagoas de tratamento de esgoto e com a construção de um dissipador de energia no Rio Vacaria.

Sem licença

O Governo do Estado iniciou a drenagem e pavimentação do acesso ao Frigorífico Balbinos pelo Jardim Paraíso, sem licença ambiental e embora a obra tenha sido licitada em julho, não apresentou à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, o pedido de licenciamento. Em janeiro a Agência Estadual de Empreendimentos parou a obra por 6 meses e transferiu para a Prefeitura a responsabilidade de resolver a questão ambiental.

"A Secretaria não recebeu do Governo do Estado nenhum pedido de licenciamento da obra", garante o secretário de Meio Ambiente, Antônio Galdino. Ele revelou que em dezembro, quando a obra estava em andamento há dois meses, o então prefeito Marcelo Ascoli, se reuniu com o empresário Márcio Fedes e tentou convencê-lo a autorizar a travessia da tubulação pelo pátio da indústria.

O empresário descartou está possibilidade porque no trajeto foram perfurados poços artesianos que abastecem o frigorífico. A "novela" da pavimentação do acesso ao Frigorífico Balbinos pelo Jardim Paraíso que se arrasta há pelo menos 4 anos parece longe de um desfecho favorável.

Desde o último dia 5 a obra foi oficialmente paralisada pelo Governo do Estado por 180 dias. Falta licenciamento ambiental, que é de responsabilidade da Prefeitura, da drenagem projetada para captar e escoar a enxurrada pouco mais de 1 km antes de desaguar no Córrego Vacaria.

Enquanto o impasse não se resolve, o frigorífico não coloca em funcionamento a sala de desossa, um investimento de R$ 15 milhões que vai gerar 400 empregos diretos. Pelo menos 30 carretas estão atravessando uma das ruas mais movimentadas da cidade, a João Marcio Ferreira Terra, entrando com gado para abate e saindo com peças inteiras em carretas frigorificas para desossa em São Paulo.

Trânsito 

Com a interrupção da obra, como os trechos das duas ruas estão intransitáveis, com isto as 35 carretas que antes passavam por ali, descendo pela Generoso Ponce, agora chegam à cidade pela Avenida Dorvalino dos Santos, atravessando a Rua João Márcio Ferreira Terra até chegar ao frigorífico. Os caminhões disputam espaço numa via movimentada, principal via de acesso ao bairro mais populoso da cidade, o São Bento.