Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 22 de Setembro de 2020

Sidrolândia

Assassino da ex-mulher deixa o hospital, teve preventiva decretada e vai para o presídio

O assassino tentou suícidio e teve alta no sábado da Santa Casa onde estava internado desde a manhã do crime.

Redação/Região News

01 de Março de 2020 - 20:16

Assassino da ex-mulher deixa o hospital, teve preventiva decretada e vai para o presídio

Está desde o último sábado numa das celas da Delegacia da Polícia Civil em Sidrolândia, Emerson Cláudio Fávero, 42 anos. No último dia 25, há uma semana, portanto, ele matou com 20 golpes de faca a ex-mulher dele, Rosenilda Lopes, 38 anos.

O assassino tentou suícidio e teve alta no sábado da Santa Casa onde estava internado desde a manhã do crime. Ele já está com prisão preventiva decretada pela Justiça, ao longo da semana será interrogado e até sexta-feira será encaminhado para uma penitenciária em Campo Grande.

Emerson, depois de matar a ex-mulher tentou o suicídio com 5 golpes de faca, dois nas costas e 3 na barriga, um deles mais profundo, foi o ferimento mais grave porque feriu o fígado do homicida.

Emerson vinha ameaçando Rosenilda desde que ela, 20 dias antes do crime, rompeu o relacionamento de seis meses. Na segunda-feira, dia 25, ele chegou de manhã na casa de Rosenilda na Rua Espírito Santo. Ela se preparava para ir cuidar da avó de 84 anos, residente no Bairro São Bento. Nervoso, a atacou de forma impiedosa, a esfaqueando 20 vezes cena testemunhada pela filha dela, de 16 anos. Socorrida, chegou morta ao Hospital Elmiria Silvério Barbosa.

O temor é de que, como Emerson toma remédios controlados, se invoque o mesmo argumento usado pelo advogado de Eder Clemente, que em maio de 2018 também matou a facadas a mulher dele, Edmárcia Cintia. No julgamento realizado mês passado, o tribunal do júri o considerou inimputável, com base em laudo psiquiátrico.

Teria cometido o crime num surto psicótico, ou seja, sem consciência do que estava fazendo. Vai ficar três anos no presídio e passará por tratamento. Pode ganhar a liberdade em 2023, se for considerado curado pelos médicos, em condições de voltar a viver em sociedade.