Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 20 de Setembro de 2020

Sidrolândia

Bairro cria grupo de WhatsApp para combater crimes no centro de Sidrolândia

Buscando esta facilidade, um grupo de moradores, resolveu criar um grupo denominado Movimento Vizinhança Solidária.

Gildo Tavares/Região News

13 de Março de 2020 - 15:48

Bairro cria grupo de WhatsApp para combater crimes no centro de Sidrolândia

A tecnologia é uma aliada valiosa da população e vem mostrando isso todos os dias na rotina das pessoas pelo mundo. É difícil encontrar uma pessoa que não tenha um aparelho de telefone celular nas mãos. Buscando esta facilidade, um grupo de moradores do Centro de Sidrolândia, próximo ao Brizolão, resolveu criar um grupo no WhatsApp denominado Movimento Vizinhança Solidária, para unir forças contra os crimes que vem aumentando naquela região da cidade.

Nadine Gimelli, a idealizadora do grupo, disse que teve a ideia por causa do aumento no número de furtos na região e que ele própria quase foi vítima quando chegavam em sua casa.

“Estava chegando em casa por volta 19h30min, um rapaz estava parado na esquina. Fui entrar, ele veio em minha direção, chamei meu marido, e o cara recuou. Depois pelas câmeras vimos que ele ficou andando pela rua olhando as casas”, contou.

Nadine destaca ainda que o grupo conta com cerca de 110 famílias cadastradas e que tem contato direto com a Polícia Militar de Sidrolândia. “A intenção deste grupo é ajudar a polícia a identificar pessoas que querem praticar crimes. Como nossa cidade cresceu muito e o número de furtos cresceu, esta é uma forma de ajudar a polícia”, justificou.

Para entrar no grupo a idealizadora mantém alguns critérios, não basta querer entrar, é necessário passar o número do telefone celular e indicar o endereço, que será checado para ver se a pessoas realmente mora na região.

Além do WhatsApp, outra medida de segurança que será adotada, com a fixação de placas informando que o local é monitora pela comunidade. “Serão cerca de 80 placas afixadas na região como os dizeres ‘Área monitorada. Vizinho solidário. Área monitorada pela comunidade. Comunicamos toda atitude suspeita imediatamente para a Polícia’”, finalizou.