Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 29 de Setembro de 2020

Sidrolândia

Censo mostra queda de 9,50% no número de alunos da zona rural e de 3,16% em todo município

As redes estadual e municipal juntas perderam 346 alunos. O número de matriculados caiu de 10.945 para 10.599.

Flávio Paes/Região News

05 de Janeiro de 2020 - 20:57

Censo mostra queda de 9,50% no número de alunos da zona rural e de 3,16% em todo município

O censo escolar 2019, divulgado semana passada pelo INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), revela redução de 3,16% no número de alunos nas escolas públicas de Sidrolândia em relação aos matriculados em 2018.

As redes estadual e municipal juntas perderam 346 alunos. O número de matriculados caiu de 10.945 para 10.599. Ano passado, havia 207 alunos a menos que em 2013 (quando foram feitas 10.806 matrículas), embora neste período a cidade tenha ganho aproximadamente 10 mil moradores.

Estes dados estatísticos são reveladores de alguns fenômenos sociais e econômicos. Dois são de âmbito nacional, a queda do número de filhos por família e o alto de índice de evasão no ensino médio e um terceiro, especifico da cidade, que é o aparente início de um êxodo rural.

A percepção imediata é de que os filhos dos assentados ao crescerem e constituírem família estão voltando à zona urbana (seja na cidade ou mudam para a Capital principalmente), se expressa na redução de 9,50% no contingente de alunos, das escolas municipais e estaduais. Em 2018 eram 2.956 estudantes, ano passado, foram 2.675 estudantes. Há menos alunos, por exemplo, que em 2017, quando foram matriculados 2.913 alunos.

Não por acaso, a Prefeitura e o Estado tiveram que fazer alguns ajustes, fechar e agrupar turmas, para garantir um número mínimo de alunos. Em 2019, as escolas municipais na zona rural perderam 196 alunos, redução de 10,64% (de 1.841 caiu para 1.645). Havia 17,54% menos estudantes ano passado que em 2013, quando se matricularam 1.995 alunos. O professor Wellington Queiroz resolveu trocar o Assentamento Jiboia pela cidade, para acompanhar a filha que ganhou uma bolsa de estudo numa escola particular e ele próprio foi contratado.

Muitos pais resolveram transferir seus filhos para a zona urbana porque muitos tem dificuldades de aprendizagem em salas multisseriadas, onde uma professora chega a atender alunos de quatro séries diferentes. É o que fez a moradora de uma fazenda próxima ao assentamento Vista Alegre. Dona Zilda, que matriculou o filho na Escola Pedro Aleixo.

O inconveniente é que ela sai de casa antes do almoço e só volta às 19 horas, quando o ônibus do transporte escolar o deixa num travessão a cerca de 1 km de onde mora. Nas escolas urbanas estudam aproximadamente 1.200 alunos que moram na área rural.

Mesmo na área urbana o número de alunos tem se mantido estável nos últimos seis anos. Oscilando de 3.681 em 2013, para os 3.696 do ano passado. No ensino médio, em 2013, havia 1.436 alunos matriculados, (incluindo 80 do EJA) e ano passado, foram 1.073, com evasão e reprovação média de 20%.

Panorama estadual

As escolas públicas de Mato Grosso do Sul tiveram 10.759 estudantes a menos em 2019, se comparado ao número de matrículas registradas em 2018. Os dados do Censo Escolar, mostram que em 2019 foram registradas 565.538 matrículas na rede pública, entre os diferentes níveis de ensino - Infantil, Fundamental, Médio e EJA (Educação para Jovens e Adultos).

O número é 1,86% menor se comparado com a soma de alunos detectada em 2018 - 576.297.

As principais reduções em número de matrículas nas instituições escolares estaduais e municipais de Mato Grosso do Sul foram nos níveis Fundamental (- 8.286 estudantes) e EJA (- 8.395).

Já a quantidade de alunos na Educação Infantil saltou em 2019, com 5.444 matrículas a mais em relação ao ano anterior.

A soma de estudantes inscritos no Ensino Médio subiu de maneira discreta, com acréscimo de 478 registros em comparação a 2018.