Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 24 de Fevereiro de 2024

Sidrolândia

Com 57,21% de cobertura, Sidrolândia oferece até dia 30 vacina contra pólio

Conforme o vacinômetro do Ministério, até agora foram aplicadas 2.182 doses, o que corresponde a uma cobertura de 57,21%.

Redação/Região News

20 de Outubro de 2022 - 14:15

Com 57,21% de cobertura, Sidrolândia oferece até dia 30 vacina contra pólio
Foto: Divulgação

Sidrolândia ainda está abaixo meta de cobertura definida pelo Ministério da Saúde, que é imunizar 95% das crianças de zero a 4 anos de idade (3.812) contra poliomielite. Conforme o vacinômetro do Ministério, até agora foram aplicadas 2.182 doses, o que corresponde a uma cobertura de 57,21%. A cidade está entre os 53 municípios na faixa amarela que ultrapassaram a barreira dos 50%. A Secretaria Municipal de Saúde, que vem fazendo busca ativa nas escolas, prorrogou a campanha até o próximo dia 30.

Em todo o Estado 67,55% do público alvo já foi imunizado. Foram vacinados 116.959 de uma população total de 173.154 crianças. O melhor resultado (93,88% de cobertura) é na faixa etária de 1 ano, na qual de 670 crianças, 629 se vacinaram. No grupo etário de dois anos, a cobertura é de 49,43% (522 vacinados); no de 3 anos, 49,76% e entre as crianças de 4 anos, 505 das 1.031 (48,88%) receberam o imunizante.

Das 79 cidades, apenas 33 têm 95% ou mais da cobertura e aparecem na faixa verde do ranking. Na sequência, 53 municípios aparecem na faixa amarela com desempenho abaixo do recomendado, outros três (Campo Grande, Bela Vista e Nova Alvorada do Sul) estão na faixa de risco, com menos de 50% da meta alcançada.

O baixo índice de proteção das crianças deixou em alerta o setor da saúde, no entanto, dados de anos anteriores evidenciam que há pelo menos seis anos Mato Grosso do Sul apresenta queda na procura pela vacina. Segundo dados do Ministério da Saúde, entre 2016 e 2021, somente em 2018 a meta foi atingida, ano em que 96% das crianças foram vacinadas. Em 2020, foram 82% e, no ano passado, apenas 74%. Preocupada com a situação que se estende por todo o Brasil, a OMS (Organização Mundial da Saúde) emitiu alerta sobre o alto risco de que a Poliomielite volte ao Brasil após 30 anos do último caso ser diagnosticado no País.

Ranking entre os municípios

Entre as cidades de Mato Grosso do Sul que lideram o ranking de vacinação da Pólio, a densidade populacional é fator que chama atenção. Com municípios menores, a busca ativa feita pelas secretarias municipais de saúde se mostra mais eficiente que em regiões com maior porte. Prova disso é que entre os 10 municípios que mais vacinaram (Sete Quedas, Eldorado, Novo Horizonte do Sul, Vicentina, Glória de Dourados, Selvíria, Antônio João, Bandeirantes, Paraíso das Águas e Deodápolis), apenas Eldorado tem população que chega a 15 mil habitantes.

Com 10.771 moradores, Sete Quedas foi quem mais vacinou crianças e tem todo o público-alvo protegido. “Onde tinha criança nós fomos para fazer busca ativa. Investimos muito na comunicação e divulgamos a campanha. Além disso, empenhamos os trabalhadores no fim de semana e colocamos salas de vacinação com horários estendidos. O diálogo foi muito importante para conscientizar as pessoas sobre os riscos da doença”, destacou o prefeito, Francisco Piroli.

Na outra ponta, Campo Grande se destaca como o que menos vacinou e apresenta desempenho fraco, com apenas 28% da meta alcançada. Veruska Lahdo, superintendente de Vigilância em Saúde da Capital, enumera diversas estratégias desenvolvidas pelo Município para alcançar o público-alvo na cidade. Medidas que, apesar do empenho, não tiveram o efeito esperado.

“Levamos as vacinas até as escolas infantis para que estivessem mais perto das crianças, divulgamos campanhas na mídia, agentes comunitários fizeram busca ativa nas casas e fomos até a shoppings para oportunizar o acesso aos pais. Além disso, fizemos campanhas aos fins de semana, estendemos horários e ainda temos 73 unidades de saúde com acesso facilitado. Infelizmente, com todas essas tentativas, a procura foi muito abaixo do esperado”. Na avaliação da superintendente, onda de informações falsas e movimentos antivacina, que ganharam força durante a pandemia da covid-19, são apontados como justificativas para a queda na procura pelo imunizante.

“Esses movimentos estão crescendo e ficaram maiores por conta da vacina da covid-19. Tudo isso, aliado às fake news, atrapalham muito o trabalho desenvolvido pela secretaria”, finaliza.

Poliomielite no Brasil

O Brasil não tem relatos de infecções desde 1989 e é considerado livre de circulação do poliovírus desde 1994, segundo certificação da OMS. Mas o vírus ainda circula no planeta e o risco é real. Dados de 2021 revelam que a primeira dose da vacina chegou a apenas 67% do público alvo no Brasil. Quando o assunto são as doses de reforço, o desempenho foi ainda pior e apenas 52% das crianças foram vacinadas.

Transmissão e sintomas

Além dos baixos índices de imunização, pesa para o Brasil a falta de saneamento básico. Quase metade da população não tem coleta de esgoto e 35 milhões não têm água tratada. A poliomielite é transmitida principalmente pela boca por meio do contato com fezes contaminadas ou com gotículas de uma pessoa infectada. Água e alimentos podem ser meios de propagação. Para o Brasil, pesa o fato de que metade da população não tem coleta de esgoto e 35 milhões não têm acesso à água tratada.

Conforme nota da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), depois que o vírus entra na corrente sanguínea, o caminho está aberto para que ele chegue ao sistema nervoso. Os sintomas mais leves são febre, dor de garganta, náusea, vômito e constipação. Mas, nas formas graves da doença, que atingem principalmente crianças com menos de cinco anos, a doença causa paralisia, geralmente nas pernas.