Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 7 de Julho de 2022

Sidrolândia

Com aumento de casos, cidade entra no ranking de alto risco de casos de dengue

O último boletim epidemiológico, mostra Sidrolândia entre os 28 municípios na bandeira vermelha.

Redação/Região News

16 de Maio de 2022 - 08:40

Com aumento de casos, cidade entra no ranking de alto risco de casos de dengue
Foco de Dengue. Foto: Redação/Região News

O último boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde, mostra Sidrolândia entre os 28 municípios na bandeira vermelha, alto risco para incidência de dengue.

Em pouco mais de um mês o número de casos prováveis saltou de 49 para 259, um crescimento de 427%, enquanto a quantidade de casos confirmados por exames laboratoriais passou de 13 para 28, um aumento de 115%.

Até o último dia 11 de abril, Sidrolândia aparecia com baixo risco de incidência da dengue, na 35ª posição, “82,7 casos por grupo de 100 mil habitantes.” Agora entrou no grupo de alto risco, está na posição 22 entre os 28 nesta situação.

Crescimento:

Ano passado Sidrolândia fechou com 55 casos prováveis. No ranking estadual, o município ficou em 50ª posição, com incidência de “92,8 casos por grupos de 100 mil habitantes.” Historicamente, a incidência de dengue registra um ano de poucos casos e no período seguinte sequência, a situação se agrava.

Em 2018, foram 65 notificações, 2019, teve 1.750, um idoso de 65 anos morreu de dengue; em 2021, a incidência caiu para 1.141. A cidade está no grupo de média incidência da doença, que se aplica as cidades que tem de 100 a 300 casos por 100 mil habitantes.

As ações preventivas desenvolvidas pela Secretaria de Saúde reduziram de 2,3 para 2,0 o nível de infestação do mosquito Aedes aegypti, responsável por transmitir a dengue Zika e Chikungunya. Os números foram levantados pelo LIRA (Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti). A cada 100 imóveis, em 2 foram identificados focos do mosquito. O índice ideal é abaixo de 1.

São considerados casos suspeitos de dengue as pessoas que vivem ou tenham viajado nos últimos 14 dias para área onde esteja ocorrendo transmissão de dengue ou tenha a presença de Aedes aegypti, que apresenta febre, usualmente entre 2 e 7 dias, e apresente duas ou mais das seguintes manifestações: náuseas e vômitos; exantema (manchas avermelhadas no corpo); mialgias (dor muscular); artralgia (dor nas articulações); cefaleia (dor de cabeça) e dor retro orbital (dor nos olhos); petéquias ou prova do laço positiva; leucopenia (é quando o número de leucócitos, que são as células de defesa do sangue, está baixo; é verificado através do exame hemograma).

Também pode ser considerado caso suspeito toda criança proveniente ou residente em área com transmissão de dengue, com quadro febril agudo, usualmente entre 2 a 7 dias, e sem foco de infecção aparente.

A Secretaria Municipal de Saúde solicita a colaboração de toda a população para receber a equipe de agentes nas casas, assim eles poderão realizar vistoria detalhada para interromper o ciclo do mosquito transmissor, e também manter as medidas de prevenção e combate como manter bem tampado tonéis, caixas e barris de água, lavar semanalmente com água e sabão tanques utilizados para armazenar água, manter caixas d'água bem fechadas, não deixar água acumulada sobre a laje, remover galhos e folhas de calhas, colocar lixos em sacos plásticos em lixeiras fechadas, recolher sacos plásticos e lixo do quintal, entre outros.