Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 19 de Setembro de 2020

Sidrolândia

Começam chegar maquinários da Agesul para abrir estrada de acesso ao Frigorífico Balbinos

Em princípio a Agência Estadual de Empreendimento vai abrir a via de 5,5 km, fazer o cascalhamento e o revestimento primário.

Flávio Paes/Região News

08 de Março de 2020 - 21:41

Começam chegar maquinários da Agesul para abrir estrada de acesso ao Frigorífico Balbinos

As máquinas da Agesul que serão usadas na abertura do acesso ao Frigorífico Balbinos na saída para Maracaju, a partir da MS-162, já começaram a chegar a Sidrolândia, estão estacionadas no pátio de Secretaria de Infraestrutura. Em princípio a Agência Estadual de Empreendimento vai abrir a via de 5,5 km, fazer o cascalhamento e o revestimento primário, além da travessia sobre um córrego.

Por enquanto nem a Prefeitura sabe quando o serviço começa e nem se o que será executado será suficiente para liberar o tráfego no local e tirar do Bairro São Bento e do Jardim Paraiso os caminhões que levam gado para o abate e encaminham para São Paulo, as peças de carne da indústria.

Em outubro do ano passado, o prefeito Marcelo Ascoli, durante audiência com o governador Reinaldo Azambuja em Aquidauana, no Governo Presente, pediu a abertura da rua. Só em dezembro engenheiros da Agesul estiveram na cidade para conhecer a área. Pediram manilhas para a travessia sobre um curso d’água existente no trajeto e jazidas com licenciamento ambiental para extração de 700 caminhões de cascalho. As exigências foram atendidas em janeiro e agora começa a chegar os equipamentos.

Além da implantação, cascalhamento e revestimento primário, para que o acesso tenha funcionalidade, será preciso uma obra de drenagem (possivelmente um dissipador de energia) para desviar do trajeto da rua, a enxurrada que desce de um bueiro construído sob a MS-162. Também será preciso uma solução de engenharia de trânsito para os veículos entrarem ou saírem do acesso pela rodovia.

Novela

O projeto de abertura deste acesso, planejado inicialmente com pista dupla e ciclovia, se arrasta desde 2014, quando os produtores Paulino Straliotto e Ivone Soares, doaram 13,8 hectares de suas propriedades que ficam no traçado que vai ligar a MS-162 aos fundos do Jardim Paraíso, onde desde dezembro de 2017 funciona o Frigorífico Balbinos, resultado de um investimento de R$ 50 milhões, que gera 300 empregos diretos, onde são abatidos 600 bois por dia.

Chegaram a ser encaminhados ao Governo do Estado pelo menos três projetos. No dia 31 de agosto de 2017, o secretário Estadual de Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, acompanhado do presidente da FIEMS, Sérgio Longen, foi na área e anunciou que estavam disponíveis R$ 411 mil do Fundo de Desenvolvimento da Indústria, para financiar a obra.

O dinheiro teve outra destinação, porque a Prefeitura não teria providenciado o licenciamento, nem encaminhado o projeto. Pelo menos é o que Verruck alegou tempo depois. Os deputados estaduais Paulo Côrrea e Gerson Claro já fizeram gestões e em outubro, na audiência com o govenador Reinaldo Azambuja durante o Governo Presente, o prefeito Marcelo Ascoli, reiterou a prioridade da obra.

Enquanto isto, a indústria só aguarda o acesso e a pavimentação de um trecho de 407 metros da Rua Dr. Costa Marques (orçada em R$ 1.425.045,85), para dobrar a produção, colocar em funcionamento uma sala de desossa, que vai empregar mais 300 trabalhadores.

A pavimentação de um trecho de 407,70 metros da Rua Dr. Costa Marques no Bairro São Bento, que hoje serve de acesso ao frigorífico, não tem sequer o projeto executivo, que deve ficar pronto em 60 dias. A obra está orçada em R$ 1.425.045,85, valor que embute além do asfalto, mais de 1,1 km de drenagem numa via paralela.