Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 22 de Maio de 2022

Sidrolândia

Em 21 dias, casos de Covid já correspondem a 12% das notificações de 2021

Em 21 dias já foram contabilizados 397 casos, 80 nas últimas 24 horas e 192 de terça a quinta-feira.

Assessoria de Imprensa

21 de Janeiro de 2022 - 13:30

Em 21 dias, casos de Covid já correspondem a 12% das notificações de 2021
A dose de reforço foi aplicada em 12.440 pessoas. Foto: Assessoria de Imprensa

Nas primeiras três semanas deste ano, o número de casos de Covid-19 registrados em Sidrolândia corresponde a 12,41% das 3.316 notificações de 2021. Conforme o último boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde, se mantido o cenário atual, janeiro será o mês que vai registrar o segundo maior número de casos de Covid-19 desde o início da pandemia. O recorde até aqui foi em julho de 2020, com 568 positivos.

Em 21 dias já foram contabilizados 397 casos, 80 nas últimas 24 horas e 192 de terça a quinta-feira. Há 365 pessoas em isolamento e oito internados. Até agora neste mês não foi registrado nenhum óbito.

Nas duas primeiras semanas de abril do ano passado, período de pico da pandemia, por exemplo, foram 331 casos positivos, média diária de 16,78, enquanto a atual (18,42) é de 12% maior. Entretanto, como na época o número de vacinados era menor, a letalidade da doença foi muito maior. Naquela altura do mês de abril oito pessoas foram a óbito, 15 pessoas estavam internadas no Hospital Elmíria Silvério Barbosa, três delas entubadas. Nesta sexta-feira há quatro internados (ainda sob investigação, mas com sintomas da doença) e outros quatro em hospitais da Capital, só um positivo.

Embora não haja a mesma pressão sobre a estrutura do hospital, o secretário de Saúde, Luiz Carlos Alves, lembra que o sistema pode colapsar no nível do atendimento ambulatorial e pode haver faltar de insumos, medicamentos e profissionais, já que 46 servidores estão de quarentena.

Diante deste quadro é fundamental adotar medidas de biossegurança (uso de máscaras, evitar aglomerações e higienização), mas a melhor proteção contra o novo coronavírus é a população se vacinar. Muita gente ainda não tomou a primeira dose (10.705 pessoas) e dos 33.705 que tomaram a primeira dose, 5.5051 (quase 15%), não tomaram a segunda. A dose de reforço foi aplicada em 12.440 pessoas.