Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 4 de Dezembro de 2021

Sidrolândia

Empreiteira ignora notificação da Agesul há 3 semanas e não retoma obra de acesso ao frigorífico

A empreiteira só aceita reiniciar o serviço se receber um reajuste de planilhas. Como não houve nenhuma medição, não haveria base legal para o reajustamento.

Flávio Paes/Região News

29 de Junho de 2021 - 16:40

Empreiteira ignora notificação da Agesul há 3 semanas e não retoma obra de acesso ao frigorífico
Acesso ao Frigorifico Balbinos. Foto: Arquivo/RN

A CRB Engenharia simplesmente ignorou a notificação feita há três semanas pela Agência Estadual de Empreendimentos para retomar em 5 dias as obras do acesso ao Frigorífico Balbinos pela Rua Dr. Costa Marques. O serviço está parado desde janeiro por falta de licenciamento ambiental. A prefeita Vanda Camilo providenciou em 20 dias o licenciamento ambiental que se arrastava há mais de dois anos. O documento era uma exigência da Agesul para a obra ser retomada. A empreiteira só aceita reiniciar o serviço se receber um reajuste de planilhas. Como não houve nenhuma medição, não haveria base legal para o reajustamento.

Enquanto a obra, que começou em setembro do ano passado, não sai do papel o Frigorífico Balbinos continua impedido de colocar em funcionamento a sala de desossa e gerar mais empregos. A indústria deu férias coletivas há três semanas e só ontem retomou os abates.  A obra iniciada em outubro do ano passado foi interrompida em janeiro por falta de licença ambiental. O licenciamento foi concedido no último dia 7, três semanas o pedido ser protocolado na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente.

São aproximadamente 1,3 metros de drenagem pela faixa de domínio público por onde vai escoar a enxurrada que desce do São Bento pelas ruas João Márcio Ferreira e Costa Marques (que receberá 550 metros de asfalto) e vai desaguar no Vacaria, após atravessar o pesqueiro de Silvio Martins.

A obra é reivindicada há 5 anos porque é uma exigência da Inspeção Sanitária do Ministério da Agricultura para liberar o funcionamento da sala de desossa, o que vai gerar 350 empregos. Foram investidos R$ 2 milhões na estrutura.

A prefeita Vanda Camilo buscou pessoalmente a solução do impasse que dependia da anuência do proprietário do pesqueiro, Silvio Martins, para ele autorizar a passagem de um trecho da drenagem num trecho do imóvel. No dia 13 de março, o proprietário assinou a anuência e terá compensação o reforço da drenagem.

Serão construídas duas bocas de dragão na confluência das ruas João Márcio Ferreira Terra, Nilo Peçanha, Antônio Alves Nantes e Tiradentes. Este sistema de captação adicional vai desviar a e enxurrada que desce do Bairro São Bento que hoje alaga parte da chácara.