Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 5 de Julho de 2022

Sidrolândia

Enfermeiro acusado da morte de Marielly em aborto vai à julgamento em 15 de setembro

Em audiência em 2016, Jodimar negou que tenha feito o aborto em Marielly, e que não conhecia Hugleice.

Redação/Região News

25 de Maio de 2022 - 13:20

Enfermeiro acusado da morte de Marielly em aborto vai à julgamento em 15 de setembro
Foto: Simão Nogueira

Vai à julgamento no próximo dia 15 de setembro pelo tribunal do júri em Campo Grande, o enfermeiro acusado da morte de Marielly Barbosa Rodrigues, como também de Hugleice da Silva. O caso aconteceu em junho de 2011, após um aborto malsucedido. Jodimar está em liberdade com medida cautelar. O júri foi marcado para o dia 15 de setembro deste ano às 9 horas. Em audiência em 2016, Jodimar negou que tenha feito o aborto em Marielly, e que não conhecia Hugleice.

Em 2020, Hugleice foi condenado por tentar matar a esposa, em Mato Grosso. Hugleice teria flagrado mensagens no celular da esposa e esfaqueado ela no pescoço, em novembro de 2018. Ele ainda teria amarrado a esposa depois de esfaqueá-la. Na época de sua prisão, ele teria dito que estava arrependido do crime. Hugleice acabo preso em Dourados pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) na BR-163. Estava foragido após esfaquear a esposa em Mato Grosso.

Caso Marielly

O crime veio à tona quando foi registrado o desaparecimento de Marielly Barbosa Rodrigues no dia 21 de maio de 2011. O corpo da jovem foi encontrado no dia 11 de junho em um canavial em Sidrolândia, já em adiantado estado de decomposição. Em investigações, a polícia chegou à conclusão que Marielly foi vítima de um aborto malsucedido cometido pelo enfermeiro Jodimar Ximenez Gomes, que agora também está em liberdade.

No inquérito que apurou a morte também foi apontada participação direta do cunhado, Hugleice da Silva, na época com 28 anos. Ele teria engravidado a jovem e contratado o enfermeiro Jodimar para realizar o aborto.

Tudo como uma tentativa de encobrir a traição, já que a esposa de Hugleice era irmã de Marielly. Durante a época das investigações, tanto a mãe quanto a irmã de Marielly afirmaram que colocariam a “mão no fogo” por Hugleice, e que ele não seria capaz de cometer o crime.