Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 17 de Maio de 2021

Sidrolândia

Equipe madruga, viaja 70 km para vacinar dona Conceição de 102 anos no Nazaré

A matriarca completará 102 anos no dia 6 de junho, provavelmente, uma data de muitos encontros entre gerações de sua descendência.

Flávio Paes/RN

18 de Abril de 2021 - 20:09

Equipe madruga, viaja 70 km para vacinar dona Conceição de 102 anos no Nazaré
Conceição da Rocha, de 102 anos. Foto: Rafael Brites

Levar adiante uma campanha de vacinação cercada de incertezas (a maior delas, quanto chegarão a doses necessárias para atender o público prioritário) não é uma tarefa simples. No caso de Sidrolândia, onde 30% da população mora na zona rural, a logística para chegar a essas pessoas exige um esforço logístico da equipe da Secretaria de Saúde.

Na semana passada uma equipe liderada pela enfermeira Cerley Azevedo, teve de levantar por volta das 4 da manhã e iniciar o expediente por volta das 5h12 quando ganharam a estrada para percorrer 70 quilômetros até o Assentamento Nazaré, num ponto extremo do município, às margens da BR-163, divisa com Nova Alvorada do Sul e Campo Grande.

Chegaram quase duas horas depois, às 6h50, ao primeiro ponto de vacinação. A missão era imunizar 40 idosos, entre eles dona Conceição da Rocha, de 102 anos, que não precisou sair de casa. Lúcida, de boa prosa e brincalhona, dona Conceição estava acompanhada da filha, Aparecida Farias, que vive com ela num barraco improvisado de chão batido num lote de 10 hectares.

A idosa sobrevive basicamente da aposentadoria que recebe do Governo Federal. Ela conta que estava ansiosa para tomar a ultima dose do imunizante para “se livrar do coronavírus”. “A senhora agora poderá ir para o baile mãe”, brincou a filha durante aplicação da vacina.

Equipe madruga, viaja 70 km para vacinar dona Conceição de 102 anos no Nazaré
Dona Conceição recebendo a ultima dose do imunizante. Foto: Rafael Brites

Em tom de brincadeira com equipe da Secretaria de Saúde, composta por médico e odontologista, ela responde a filha com a indagação; “Ir a baile pra quê guria?”, momento de descontração da equipe que se impressionou com a vitalidade de Dona Conceição.

“A missão é árdua, mas vale a pena. Fiquei muito feliz apesar do cansaço, de poder de alguma forma, ser um instrumento para pessoas como Dona Conceição”, disse a reportagem do RN, Cirley Azevedo, enfermeira responsável pela vacinação rural na região do Nazaré.

A matriarca completará 102 anos no dia 6 de junho, provavelmente, uma data de muitos encontros entre gerações de sua descendência. A filha caçula de 10 irmãos, Aparecida Farias, de 52 anos, revela que já perdeu a conta do número de sobrinhos (netos de Dona Conceição).

“Olha, eu teria que parar para contar, mas minha mãe deve ter hoje mais de 40 netos; uns 15 bisnetos e uma meia dúzia de tataranetos. Dos 11 filhos, 3 já morreram. Meu irmão mais velho morreu aos 72 anos sendo cuidado por ela em sua velhice. Umas das cenas mais incrível que vou levar pra sempre comigo foram estes anos. Geralmente são os filhos que cuidam dos pais na idade mais avançada”, comenta.

Aparecida diz que a mãe é forte, lúcida, tem boa memória e é saudável. “Tem a cabeça melhor que a minha. Às vezes, esqueço de onde deixei tal coisa e ela me lembra”, brinca ao revelar que única limitação física de Dona Conceição é a força motora que já não permite que se locomova sozinha. “Eu preciso dar apoio pra ela andar, anda sozinha, mas não se sente segura ao dar o passo sem ajuda”, explica.

Fumante até os 92 anos quando descobriu um enfisema pulmonar após uma crise respiratória, largou o tabaco para cuidar da saúde, como consequência, passou a tomar remédio controlado para pressão alta. “Pra não dizer que não tem problema de saúde, o único medicamento que toma é para controlar a pressão”, diz a filha. Se alimenta basicamente de Arroz, feijão, carne e mandioca.