Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 1 de Agosto de 2021

Sidrolândia

Estado iniciou acesso ao frigorífico sem licença ambiental e teve de parar obra

Flávio Paes/Região News

02 de Fevereiro de 2021 - 14:27

Estado iniciou acesso ao frigorífico sem licença ambiental e teve de parar obra
Drenagem e pavimentação do acesso ao Frigorífico Balbinos pelo Jardim Paraíso. Foto: Marcos Tomé/RN

O Governo do Estado iniciou a drenagem e pavimentação do acesso ao Frigorífico Balbinos pelo Jardim Paraíso sem licença ambiental.  Embora a obra tenha sido licitada em julho, a Agesul  não apresentou à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, o pedido de licenciamento. Na semana passada a Agência Estadual de Empreendimentos parou a obra por 6 meses (a contar do último dia 5 de janeiro) e transferiu para a Prefeitura a responsabilidade de resolver a questão ambiental.

"A Secretaria não recebeu do Governo do Estado nenhum pedido de licenciamento da obra", garante o secretário de Meio Ambiente, Antônio Galdino. Ele revelou que em dezembro, quando a obra estava em andamento há dois meses, o então prefeito Marcelo Ascoli, se reuniu com o empresário Márcio Fedes e tentou convencê-lo a autorizar a travessia da tubulação pelo pátio da indústria. O empresário descartou está possibilidade porque no trajeto foram perfurados poços artesianos que abastecem o frigorífico. A outra alternativa é a passagem da tubulação pela chácara (vizinha ao frigorífico) de Silvio Martins, onde funciona um pesqueiro.

A prefeita Vanda Camilo, que herdou o "abacaxi" da gestão anterior, está tentando buscar uma solução negociada para resolver o impasse. Ela foi cobrada até pelo presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa, que a recebeu em audiência semana passada, durante a interinidade dele como governador.

Estado iniciou acesso ao frigorífico sem licença ambiental e teve de parar obra
Prefeita Vanda Camilo e presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa. Foto: Assessoria

A prefeita quer evitar uma solução "de força", que seria baixar um decreto transformando em área de domínio público a faixa de terra do pesqueiro de Silvio Martins que está no traçado da tubulação antes das águas pluviais caírem no córrego. Já teve uma conversa informal com Silvio que se recusa a dar anuência para passagem da tubulação na sua prosperidade.

Novela

Estado iniciou acesso ao frigorífico sem licença ambiental e teve de parar obra

A "novela" da pavimentação do acesso ao Frigorífico Balbinos pelo Jardim Paraíso que se arrasta há pelo menos 4 anos parece longe de um desfecho favorável. Desde o último dia 5 a obra foi oficialmente paralisada pelo Governo do Estado por 180 dias. Falta licenciamento ambiental, que é de responsabilidade da Prefeitura, da drenagem projetada para captar e escoar a enxurrada pouco mais de 1 km antes de desaguar no Córrego Vacaria.

Enquanto o impasse não se resolve, o frigorífico não coloca em funcionamento a sala de desossa um investimento de R$ 15 milhões que vai gerar 400 empregos. Pelo menos 30 carretas estão atravessando uma das ruas mais movimentadas da cidade entrando com gado para abate e saindo com peças de carne.

Para que a drenagem contornasse a chácara e as águas pluviais desaguasse no Vacaria por traz do frigorífico seria preciso fazer mais 300 metros de tubulação, elevando em R$ 500 mil (a custos de 6 meses atrás) o valor da obra. A alternativa de atravessar a tubulação pelo pátio da indústria foi descartada por que no trajeto foram perfurados poços artesianos.

Trânsito 

Estado iniciou acesso ao frigorífico sem licença ambiental e teve de parar obra

Com a interrupção da obra, como os trechos das duas ruas estão intransitáveis e com isto as 35 carretas do frigorífico que antes passavam por ali, descendo pela Generoso Ponce, agora chegam à cidade pela Avenida Dorvalino dos Santos, atravessando a Rua João Márcio Ferreira Terra até chegar ao frigorífico. Os caminhões disputam espaço numa via movimentada, principal acesso ao bairro mais populoso da cidade, o São Bento.