Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 25 de Setembro de 2020

Sidrolândia

Famílias ignoram pedido da tropa de choque e mantém ocupação de área perto da esplanada

O clima é tenso no local onde parte da vegetação foi queimada num incêndio, provavelmente provocado e alguns barracos que já tinham sido erguidos foram derrubados.

Flávio Paes/Região News

11 de Outubro de 2019 - 18:36

Famílias ignoram pedido da tropa de choque e mantém ocupação de área perto da esplanada

As 34 famílias que invadiram nesta sexta-feira 2 hectares, vizinha a antiga esplanada da estação ferroviária, ignoram as recomendações dos policiais da tropa de choque da Polícia Militar. Eles mantiveram a ocupação da área, metade pertencente ao produtor rural Orlei Martins Terra e a outra metade, de propriedade de 10 herdeiros do ex-prefeito Epaminondas Brum.

As lideranças do grupo, aparentemente sem vinculação com o grupo que desde junho do ano passado ocupa a antiga esplanada, dizem que só saem da área por ordem judicial e se os proprietários apresentaram escrituras. Continuaram convencidas que a área pertence à União, mesmo depois que receberam cópias das 11 matrículas dos imóveis.

O clima é tenso no local onde parte da vegetação foi queimada num incêndio, provavelmente provocado e alguns barracos que já tinham sido erguidos foram derrubados.  O produtor rural Orlei Martins se mantém na área e na segunda-feira deve entrar na Justiça para pedir a reintegração de posse.

Os 14 policiais do Batalhão de Choque e os dois da Polícia Militar Ambiental que vieram da Capital, retornam a Campo Grande após tentar convencer, sem sucesso, as famílias, a deixarem a área. No grupo de sem-terra há pessoas que vieram de Nioaque e por orientação da liderança, ninguém é autorizado a dar entrevista, um método parecido com o adotado pelo MST (Movimento dos Sem Terra). Uma mulher, que aparentemente lidera o grupo, não descarta a possibilidade de expandir a ocupação para propriedades vizinhas, porque segundo ela, todo a área no entorno seria da extinta Rede Ferroviária Federal, ou seja, integram o patrimônio da União.