Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 18 de Setembro de 2020

Sidrolândia

Ganso” sugere que empresas peçam penhora de sede social do Sindicato avaliada em R$ 1 milhão

Até agora, a julgar pelos processos em andamento, já foram ajuizadas ações de cobrança que superam a monta de R$ 336 mil (exatos R$ 336.728,25), mas o valor, segundo o parlamentar, pode ser ainda maior.

Flávio Paes/Região News.

15 de Abril de 2020 - 15:41

O vereador Valdecir Carnevalli (PSDB), usou a tribuna na sessão ordinária desta terça-feira (14) para sugerir aos comerciantes que sofreram calote do Sindicato dos Servidores Públicos de Sidrolândia, que acionem a Justiça para reaver os valores dos quais tem direito.

Até agora, a julgar pelos processos em andamento, já foram ajuizadas ações de cobrança que superam a monta de R$ 336 mil (exatos R$ 336.728,25), mas o valor, segundo o parlamentar, pode ser ainda maior porque alguns credores ainda não ingressaram com ação de cobrança.

Em dezembro do ano passado, o presidente da Câmara Carlo Henrique Olindo (PSDB), suspendeu o convênio com o Sindicato, propôs a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a instituição, mas foi barrado pela procuradora jurídica que deu parecer contrária a criação da CPI por não haver base legal, já que o Sindicato, é uma instituição privada.

“Ganso”, como é conhecido, defendeu que as empresas lesadas não só ingressem com ações de cobrança, mas que peçam penhora da sede social, único patrimônio em nome da instituição, como garantia do pagamento da dívida, uma área de aproximadamente 5 hectares localizada na estrada vicinal de acesso ao frigorífico Balbinos.

No local, o Sindicato dos Servidores mantém um salão de festa com capacidade para abrigar até 500 pessoas sentadas; uma residência para o zelador, salão social aberto, além da área de lazer com dois campos de futebol, quadra de vôlei de área e área de bilhar, avaliado em mais de R$ 1 milhão.

“É lamentável, mas infelizmente, o comerciante não pode pagar esta conta. A instituição tem que ser responsabilizada e responder por seus atos”, disparou o vereador.