Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 19 de Setembro de 2020

Sidrolândia

Morre aos 60 anos 'Gelinho' que por 38 anos foi personagem da cena urbana sidrolandense

Josué Paulo Pedroso, era paranaense de Porto Rico. O 'Gelinho', como era conhecido, deixou um pouco órfã uma legião de quase quarentões que o conheceram; muitos foram seus cumplices nas peraltices.

Flávio Paes/Região News

26 de Outubro de 2019 - 15:32

Morre aos 60 anos Gelinho que por 38 anos foi personagem da cena urbana sidrolandense

Quem é morador de Sidrolândia, desde o final da década de 80 e que hoje se aproxima dos 40 anos, certamente, tem lembranças da infância e da pré-adolescência com um vendedor de geladinho que de tão conhecido e tão peculiar na sua forma de agir, tornou-se um personagem da cena urbana.  Por coincidência exatamente no dia da sua morte,  a chuva veio acompanhada de granizo. Literalmente gelinho caindo de céu, conforme bem registrou pelas redes sociais o fotógrafo Rafael Brites.

Pois é, neste sábado uma ponta de tristeza bateu no coração desta geração de sidrolandenses (naturais ou por adoção), ao tomarem conhecimento da morte de um homem de 60 anos, que estava internado na Santa Casa em Campo Grande, vítima de problemas cardíacos.

Josué Paulo Pedroso era paranaense de Porto Rico. O 'Gelinho', como era conhecido deixou um pouco órfã uma legião de quase quarentões que o conheceram; muitos foram seus cumplices nas peraltices.

Centenas deles foram às redes sociais manifestar o luto e resgatar um pouco das histórias de suas infâncias, perdidas na poeira do tempo. Ao longo de 38 anos, desde que chegou aqui com 22 anos, as limitações impostas pela deficiência mental, não impediram Gelinho de se revelar um vendedor nato, obstinado em ganhar a vida com o fruto do seu trabalho.

Recorria a conhecidos de confiança para escapar de algum cliente que o tentasse enganar no troco. Não parou nem com a chegada da idade e a garantia da renda com a obtenção do LOAS. Ultimamente vendia verduras e legumes.

Por décadas percorreu a cidade oferecendo gelinho. Seja nas escolas, de porta em porta, onde houvesse uma aglomeração de pessoas, potenciais clientes, lá estava ele, oferecendo o gelinho para a garotada.

Quando o trem de passageiro da extinta NOB (Noroeste do Brasil) percorria os trilhos do ramal ferroviário Campo Grande/Sidrolândia/Maracaju/Ponta Porã, tinha lugar cativo na estação ferroviária nos horários de embarque e desembarque.