Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 24 de Setembro de 2020

Sidrolândia

Pandemia reduz em 63,77% novos empregos que continuam puxados pelas vagas do JBS

Em nível estadual, foram fechados 1.992 postos de trabalho, número alto, mas melhor que em relação ao de abril.

Flávio Paes/Região News

02 de Julho de 2020 - 09:53

Pandemia reduz em 63,77% novos empregos que continuam puxados pelas vagas do JBS

Na contramão da tendência nacional e estadual neste período de pandemia, embora o número de vagas abertas de janeiro a maio de 2020,  tenha sido  63,77% menor que o registrado em igual período de 2019, Sidrolândia registrou a geração de 46 novos empregos de carteira assinada. Em nível estadual, foram fechados 1.992 postos de trabalho, número alto,  ainda sim um resultado  melhor que em relação ao de abril, quando foram fechados 7 mil empregos.

Conforme os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, divulgados nesta semana , em maio foram gerados apenas 8  empregos na cidade (209 contratações e 201 demissões), redução de 81% sobre o resultado de maio do ano passado, quando foram 44 novas oportunidades de trabalho. O número de contratações caiu de 286 para 209, redução de 26%, curiosamente, neste ano o número de demissões foi menor, 201 (ante 242 do ano passado).

No balanço dos primeiros cinco meses do ano, foram 1.299 contratações e 1.253 demissões, um saldo positivo de 46 vagas, enquanto de janeiro a maio de 2019, foram computadas 1.426 contratações e 1.269 dispensas, um saldo de 157 vagas. O número de contratações caiu 8,83%.

As novas oportunidades de trabalho foram puxadas basicamente pela unidade local da JBS que tem uma política de contratação praticamente permanente para suprir vagas abertas por licenças médicas ou pela própria rotatividade da mão de obra. A empresa abriu 180 vagas temporárias para substituir os trabalhadores indígenas que ficaram de licença remunerada por 90 dias, com 70% do salário pago pelo Governo e a empresa arca com o restante.

Levantamento

Conforme o levantamento do CAGED, no mês de maio foram registradas em Mato Grosso do Sul 11.187 contratações e 13.179 desligamentos. De janeiro a maio, foram realizadas 86.128 contratações no Estado e outras 87.443 demissões. Com isto, o saldo acumulado é de 1.315 vagas a menos em Mato Grosso do Sul.

Setores - O setor de serviços está entre os que mais fecharam postos de trabalho no mês passado no Estado, com 1.008 vagas a menos. O Comércio extinguiu 615 e o setor alojamento e alimentação mais 348. Educação também se destacou com 206 empregos a menos.

Coronacrise - Maio é o terceiro mês seguido que o saldo de empregos formais no Brasil fecha negativo. Isto é mais um reflexo da crise causada pelo coronavírus que obriga a suspensão de várias atividades como medida de prevenção para evitar a propagação da covid-19.

Em todo o país, foram fechados 331.901 postos de trabalho no último mês. O Centro-Oeste ocupa o 4º lugar no ranking das regiões que mais extinguiram vagas, com 12.580, ficando à frente apenas da região Norte onde foram encerrados 10.151 empregos formais. O Sudeste fechou mais de 180 mil postos de trabalho.