Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 19 de Setembro de 2020

Sidrolândia

População ignora quarentena, circula pelas ruas e faz fila nos bancos

Após uma semana de vigência da quarentena, quem passou nesta terça-feira pela manhã pelo centro de Sidrolândia testemunhou uma grande movimentação de famílias inteiras.

Flávio Paes/Região News

31 de Março de 2020 - 13:32

População ignora quarentena, circula pelas ruas e faz fila nos bancos

Após uma semana de vigência da quarentena, quem passou nesta terça-feira pela manhã pelo centro de Sidrolândia testemunhou uma grande movimentação de famílias inteiras, muitos idosos, que integram o grupo das pessoas mais vulneráveis ao novo coronavirus. O Isolamento social é considerada a melhor estratégia para reduzir a incidência do Covit-19.

Pelo menos dentro das lojas, reabertas ontem, está sendo obedecida a determinação de evitar aglomeração, com o controle de entrada e manter a distância mínima de 1,5 metro entre um cliente . Abordados pela reportagem, a maioria os transeuntes prefere não se manifestar porque estão ignorando as recomendações dos especialistas.

Como até hoje só houve a confirmação de apenas um caso de coronavirus em Sidrolândia, a percepção predominante é de que a pandemia não vai chegar por aqui. Em frente das agências bancárias, filas de clientes, com demarcação na calçada (nas cercanias da agência do Banco do Brasil) do lugar onde cada um deve ficar para respeitar o distanciamento mínimo de 1,5 metro, sinalização ignorada por muitos.

Já nas agências, um funcionário regula a entrada das pessoas. Nos caixas eletrônicos só entram dois clientes por vez. A mesma estratégia é usada nos caixas presenciais. Com isto, não há formação de fila em espaços fechados. Quem madrugou para chegar cedo na agência Bradesco para receber a aposentadoria foi dona Rosileide Torres de Lima, de 65 anos que mora no Assentamento Jibóia, a mais de 50 quilômetros da área urbana.

Ela diz que só veio à cidade para ter condições de sacar a aposentadoria. A mesma razão motivou o assentado Sérgio Rodrigues, 73 anos, residente no Eldorado. Ele não mostra preocupação com a pandemia do coronavirus. "Entrego na mão de Deus. Quando chega a sua hora, você vai mesmo ", comenta.