Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 28 de Setembro de 2020

Sidrolândia

Prefeitura responde TCE e espera retomar licitação de maquinários em junho

O TCE tem 5 dias úteis para avaliar se os esclarecimentos são suficientes para a retomada do processo licitatório.

Flávio Paes/Região News

17 de Maio de 2020 - 19:53

Prefeitura responde TCE e espera retomar licitação de maquinários em junho

A Prefeitura de Sidrolândia respondeu na última sexta-feira aos questionamentos do Tribunal de Contas que na terça-feira (12) suspendeu o pregão eletrônico, na modalidade registro de preços, para compra de R$ 2.648.350,00 em equipamentos para o parque rodoviário da Secretaria Municipal de Infraestrutura. O TCE tem 5 dias úteis para avaliar se os esclarecimentos são suficientes para a retomada do processo licitatório.

O secretário de Fazenda, Renato da Silva Santos, acredita que na primeira semana de junho uma nova licitação seja lançada, considerando os prazos regulares para lançamento do edital e apresentação das propostas. No mês de abril auditores do TCE encaminharam questionamentos que foram respondidos de forma eletrônica no período em que o Tribunal esteve de recesso por causa da pandemia do Covid-19. Agora o TCE faz novas cobranças, desta vez querendo saber porque a Prefeitura está pretendendo investir tanto dinheiro na compra de máquinas.

“Acho natural essas dúvidas, provavelmente, esta é uma das maiores licitações, em termos de volume de recursos, que a Prefeitura de Sidrolândia está usando para comprar de equipamentos. Temos hoje um parque rodoviário sucateado, com alto custo de manutenção, insuficiente para garantir a manutenção das estradas vicinais e travessões. O Tribunal quer saber onde exatamente estas máquinas serão usadas”, explica.

São duas motoniveladoras; uma escavadeira; uma retroescavadeira; um rolo compactador; um rolo tapa buraco; (uma pá carregadeira e um trator giro zero. “Vamos fazer as adequações solicitadas pelo TCE, como a possibilidade de formação de consórcios para participar dos pregões”, explica. Ele garante que os problemas apontados (como a divergência nos preços de referência) serão corrigidos. “Não houve nenhum prejuízo aos cofres públicos, vamos fazer tudo de forma transparente”, comenta o prefeito Marcelo Ascoli.