Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 24 de Setembro de 2020

Sidrolândia

Proprietário de área invadida há 10 dias pede reintegração de posse e indenização

Na petição, a advogada, além de solicitar a retirada das famílias, cobra também do grupo, indenização por perdas e danos.

Flávio Paes/Região News

21 de Outubro de 2019 - 10:56

Proprietário de área invadida há 10 dias pede reintegração de posse e indenização

Já está tramitando na Justiça em Sidrolândia, o pedido de reintegração de posse, com solicitação de liminar, para desocupação da área de um hectare, vizinha a antiga esplanada ferroviária, ocupada há 10 dias por 34 famílias de sem-teto, pertencente ao produtor rural Waldivino Ignácio Sandim.

Na petição, a advogada Djenane Comparim, que representa o proprietário, além de solicitar a retirada das famílias, cobra também do grupo, supostamente liderados por Michele Rodrigues, indenização por perdas e danos, como compensação por ter ateado fogo na vegetação da área vizinha, pertencente a 10 herdeiros de dona Ursulina Mendes Terra, que também foi invadida mas em seguida desocupada voluntariamente pelos sem-teto.

Além de apresentar documentos para comprovar que há 58 anos a área pertence à família do ex-prefeito Epaminondas Brum e há 8 anos foi vendida por um dos seus netos, Enéas Rodrigues, ao produtor rural Waldivino, a advogada critica a atitude dos sem-teto de invadirem uma área particular.

Garante que não são sem-teto com base no seguinte argumento: “Basta ver que os barracos são feitos tão somente de lona e bambu, de modo que eles se revezam em ficar sentados dentro deles, para não deixar o local, mas vão para suas residências comer e dormir, tentando a sorte apenas em obter um terreno em área nobre”.

Na avaliação da advogada, o mesmo grupo já invadiu o Jóquei Clube às margens da BR-060. “Se apropriam e apossam de bens alheios, sem qualquer respeito à propriedade, dando um péssimo exemplo a esta já tão sofrida sociedade que constantemente se vê vítima destes invasores, desestimulando os cidadãos honestos a trabalharem para adquirir bens e pagar impostos”.