Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 19 de Setembro de 2020

Sidrolândia

Raio queima transformador e deixa assentamento sem energia

A descarga elétrica deve ter provocado a queima do transformador, interrompendo o fornecimento de energia.

Flávio Paes/Região News

15 de Dezembro de 2019 - 20:52

Raio queima transformador e deixa assentamento sem energia

Desde o meio-dia de sábado, as 38 famílias do Assentamento Triângulo, em Quebra Coco, estão sem energia elétrica, perderam alimentos que mantinham nas geladeiras e já enfrentam problemas de abastecimento de água. No sábado, por volta das 12 horas, armou um temporal e ouviu-se um estrondo provavelmente após queda de um raio. A descarga elétrica deve ter provocado a queima do transformador, interrompendo o fornecimento de energia.

Segundo a dona de casa Cleusa Lima, praticamente todos os moradores ligaram para o serviço de atendimento da Energisa, que até às 18 horas desde domingo, não havia deslocado equipes de manutenção. “A gente está sem água até para preparar as refeições", reclama. “O abastecimento depende do funcionamento da bomba para encher a caixa d'água", explica.

No caso de Carlos Aparecido, que não tem caixa d'água, o jeito é recorrer a vizinhos que tem um reservatório maior para tomar banho e obter água para preparar base refeições. Diante da situação, muitos moradores, que tem casa na cidade, temporariamente deixaram o assentamento.

A energia elétrica chegou ao Assentamento Triângulo há um ano. As famílias estão há três anos na área, adquirida por meio do crédito fundiário. Em outubro, após o fim do período de carência, elas tiveram que pagar a primeira parcela do financiamento, em torno de R$ 4.680,00. Entre os moradores, boa parte tem outras atividades para garantir o orçamento doméstico, há vários aposentados. Mesmo assim, muita gente, consegue produzir verduras, legumes e frutas, para consumo próprio e o excedente, comercializa na feira.

Processo longo

O projeto de transformar em assentamento a antiga Fazenda Triângulo, propriedade de 245,70 hectares, começou a se desenhar há 5 anos. Em agosto de 2015, foi feito o sorteio dos lotes. Só em setembro de 2016, mais de um ano depois, é que as famílias efetivamente puderam entrar na área, porque neste período se arrastou o processo de pagamento do antigo proprietário que recebeu R$ 2,5 milhões. Há energia elétrica só chegou há um ano.

Cada lote saiu por R$ 70 mil (R$ 10 mil o hectare), incluindo despesas de cartório e ITBI – (Imposto sobre a Transmissão Inter Vivos de Bens Imóveis). Depois de três anos de carência, no mês passado foi paga a primeira das 17 parcelas anuais.